Marco pediu Amélia em casamento num voo para a Madeira

(COM VÍDEO) Não foram uma, mas duas, as vezes que Marco Filipe pediu Amélia Silva em casamento: a primeira, há três anos, em pleno voo entre Lisboa e a Madeira; a segunda, pouco depois, ao pai da auditora e já após esta ter dito o sim.

Depois de amanhã, unem-se sob a bênção do santo casamenteiro, por sugestão de uma familiar do jovem.

"Estava a ver [os Casamentos de Santo António] com a avó do Marco e ela disse "por que é que vocês não se candidatam?"", recorda a noiva, de 26 anos. O passo vai oficializar uma relação que começou a ganhar forma num churrasco em casa de amigos em comum.

"A partir daí começámos a ir ao cinema até que, um dia, perguntei à Sofia [segundo nome de Amélia] quando é que ela me dava o primeiro beijo", conta o administrativo. Ela ficou "constrangida", mas aceitou o desafio. Foi a 15 de julho de 2008. Nenhum se lembra qual o filme a que assistiam. Mais fresco na memória está o momento em que receberam o telefonema da câmara a informar que tinham sido selecionados. "Nem queria acreditar. Só acreditei quando fomos à primeira reunião", garante a lisboeta.

A experiência, acrescenta o administrativo de 25 anos, está a ser "muito melhor" do que o casal estava à espera. "É muito giro. Temos sido muito bem tratados. Estamos a adorar", precisa Marco, que há semanas sonha com o momento em que vai ver Amélia vestida de branco pela primeira vez. Para já, sabe apenas que ela "nem queria acreditar" quando se viu ao espelho.

"Vai ser um dia com muita emoção", antevê a noiva.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.