Marcelo só fala sobre situação na Defesa com as Forças Armadas

Presidente só fala sobre o assunto em Portugal e, se o fizer, só junto da estrutura militar

O Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas, Marcelo Rebelo de Sousa, recusou hoje comentar os pedidos de demissão e a pressão de que está a ser alvo o ministro da Defesa, limitando-se a dizer que não comenta "fora do território físico português aquilo que se passa em Portugal".

Sobre a forma como irá gerir a instabilidade que os últimos acontecimentos provocaram no setor, Marcelo afirmou que "o Presidente quando quer dirigir-se às forças armadas dirige-se diretamente a elas." Questionado sobre se o irá fazer quando chegar a Portugal, o chefe de Estado disse apenas: "Veremos".

Marcelo foi ainda questionado sobre se o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, tem condições para continuar no executivo de António Costa, mas a resposta não foi diferente: "Não comento nada sobre a política portuguesa fora de Portugal e, por outro lado, mesmo que estivesse em Portugal não comentaria nada às forças armadas, senão diretamente às forças armadas."

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.