Marcelo critica sistema de ensino do governo de Passos

Presidente defende o sistema de ensino profissional dos suíços e não o modelo "discriminatório" e "precoce" que existia em Portugal

A encerrar a visita de Estado à Suíça, Marcelo Rebelo de Sousa criticou o anterior o governo de Passos Coelho por ter apresentado uma proposta para o sistema de ensino dual "discriminatório" que obrigava a escolhas "precoces". O Presidente considerou que o atual governo "não pode desperdiçar" a oferta do Presidente suíço, para a transmissão de know-how, sobre o sistema que permite combinar educação com saídas profissionais.

"Aquilo a que assistimos aqui hoje não é o que estava previsto em Portugal", na proposta apresentada pelo anterior executivo "a escolha [de uma profissão] era muito mais cedo, era precoce", criticou, salientando que na Suíça são "jovens mais velhos que, numa fase ulterior, fazem essa escolha".

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que acompanhou o Presidente nesta visita, esclareceu que "a decisão do atual governo" acabou com cursos vocacionais "para 12 anos de idade", mas "aproxima o modelo português do modelo suíço", uma vez que não acaba com o ensino vocacional e está aberto a "mais empresas portuguesas que queiram aderir a este sistema".

No sistema de ensino suíço, a partir dos 15 anos, os alunos podem aprender uma profissão no próprio local de trabalho, com aulas práticas, em ambiente profissional, quase diárias, por exemplo numa fábrica, como a que o Presidente visitou ontem, onde as aulas teóricas se resumem a uma vez por semana.

De acordo com informações da Presidência, "70% dos suíços optam por esta via e apenas 20% seguem diretamente para a faculdade", permitindo à Suíça ter "profissionais altamente qualificados, assim como formar pessoas conforme as necessidades do mercado de trabalho".

Augusto Santos Silva salientou que o governo propõe "a partir de nove anos de escolaridade, comum para todos, a opção entre um ensino de natureza mais científica ou humanista ou um ensino de natureza mais vocacional ou profissional".

"O que acontece na Suíça é que as empresas estão muito mais envolvidas no ensino vocacional do que em Portugal. Esse é um caminho que nós temos de fazer por aproximação", disse o governante, acrescentando que "é preciso trazer mais empresas para participarem mais intensamente nos cursos profissionais".

Durante a visita à fábrica de máquinas para a indústria panificadora, o presidente da confederação Suíça, Johann Schneider-Ammann, ofereceu-se para influenciar as empresas suíças, com filiais em Portugal, para contribuírem para a implementação do ensino vocacional. "Propus-me a contactar as empresas suíças com filiais em Portugal, que conhecem a filosofia do sistema de aprendizagem suíço, e eles podem replicar o conhecimento e a maneira de fazer nas filiais em Portugal. Porque não?", sugeriu o presidente suíço.

"Ofereci ao Presidente de Portugal o meu envolvimento pessoal para ajudar nos contactos, para vermos o que podemos fazer. Isto tem de traduzir-se na prática e não apenas em teoria", disse Johann Schneider-Ammann.

Marcelo considerou a proposta "muito útil, porque há muitas empresas suíças em Portugal, que podem encontrar uma forma de formação profissional para estudantes portugueses, que sigam essa via vocacional que é diferente da via clássica". O Presidente sente que o governo não pode agora "desperdiçar a oportunidade oferecida pela Suíça", sem, no entanto, "copiar modelos tal como eles são". Mas Marcelo acha que "se deve olhar para a experiência de países que estão uns passos à frente, em termos económicos e em termos sociais, para ver o que pode suceder na Europa e no mundo daqui por uns anos".

Exclusivos