Malparado em Portugal é oportunidade para a Arrow, a empresa que contratou Maria Luís

Atividade da gestora passa pela compra de pacotes de dívida não paga aos bancos, cujo pagamento é negociado com os devedores

Um mercado em "rápido crescimento" e em que os testes de stress do BCE revelam "verdadeira alienação" de ativos de risco, avaliados em 88 mil milhões de euros. É assim que a Arrow descreve o potencial de Portugal, primeiro mercado estrangeiro da empresa que, em 2014, comprou carteiras de crédito ao Banif. E cujo modelo de negócio passa por ganhar dinheiro com a compra de grandes pacotes de crédito malparado - que ronda os 15% em Portugal. São dívidas de cartões, crédito ao consumo, hipotecas que as famílias já não conseguem pagar e de que os bancos têm de se desfazer, mesmo assumindo perdas avultadas. A gestora compra barato, porque assume o risco, e depois negoceia agressivamente com os devedores, perdoando mais do que os bancos poderiam, e pressionando mais para reaver algum capital.

Na Arrow, Maria Luís vai assumir um lugar na comissão de Auditoria e risco. "Vai complementar a administração com a sua experiência em gestão de dívida internacional, e será uma mais-valia nos planos de expansão para novos mercados e áreas de negócio", justificou a empresa no comunicado em que revelava a contratação. Ao DN, a Arrow disse ainda que, "antes desta nomeação, Maria Luís Albuquerque não esteve envolvida em qualquer transação comercial ou acordo envolvendo a Arrow ou a Whitestar".

Uma das principais gestoras de dívida da Europa, a Arrow começou a investir em Portugal em 2007 e tornou-se líder no ano passado, com a compra da Whitestar e da Gesphone, assumindo a gestão de uma carteira de créditos de 5,8 mil milhões. Entre os clientes há bancos como Montepio, Popular, Banco Invest e BCP, as seguradoras Açoreana e Axa, e empresas como a Vodafone.

A Arrow comprou a Whitestar - consultora independente que trabalha com várias instituições e investidores - em abril de 2015, não havendo antes qualquer relação entre as empresas. Com cerca de 500 funcionários em Portugal, a Whitestar não compra nem tem ativos em carteira, fazendo sim a gestão de carteiras de créditos para instituições financeiras e fundos globais. Um dos seus clientes é a CarVal, gestora de fundos independente à qual a Whitestar fornece serviços e cuja propriedade é totalmente independente da Arrow.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG