Mais fácil ou mais chumbos? Prova de Matemática divide opiniões

Os professores de Matemática consideram que o exame nacional da disciplina, que se realizou hoje de manhã, foi acessível. Uma opinião partilhada tanto pela Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) como pela Associação de Professores de Matemática (APM), que ainda assim discordam no grau de dificuldade da prova: a SPM defende que ela foi mais fácil do que a do ano passado, enquanto a APM entende que o exame terá sido mais difícil.

Os professores de Matemática consideram que o exame nacional da disciplina, que se realizou hoje de manhã, foi acessível. Uma opinião partilhada tanto pela Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) como pela Associação de Professores de Matemática (APM), que ainda assim discordam no grau de dificuldade da prova: a SPM defende que ela foi mais fácil do que a do ano passado, enquanto a APM entende que o exame terá sido mais difícil.

"A prova era acessível, respeitava o programa, mas tendo a considerar que o exame era mais difícil do que o do ano passado", adiantou ao DN Jaime Carvalho e Silva, da Associação de Professores de Matemática, que advertiu mesmo que "será mais difícil tirar classificações de topo e haverá mais alunos a reprovar". Na base desta conclusão está o facto de as questões deste ano serem "mais abstratas, que envolviam menos cálculos, a exigir mais raciocínio e concentração, o que é mais difícil em contexto de exame".

A preocupação da APM vai agora para os alunos que chumbarem a esta disciplina e que no próximo ano "terão de fazer um exame diferente, decorrente das novas metas curriculares aprovadas pelo governo anterior. O programa será muito diferente".

Já a Sociedade Portuguesa de Matemática considerou que "as questões do Grupo I eram, na generalidade, fáceis, existindo mesmo duas perguntas de resposta imediata (1 e 8). O Grupo II reproduz esta tendência: as perguntas são genericamente fáceis, existindo duas de resposta imediata (2.1 e 2.2). Os procedimentos de cálculo requeridos são, para este nível, pouco exigentes. Apenas a pergunta 6 possui um grau de complexidade que possa desafiar e diferenciar os estudantes mais bem preparados". Perante este quadro, a conclusão da Sociedade era óbvia: "O nível de complexidade global do exame parece-nos inferior ao de 2015-16."

Mas no seu parecer sobre a prova, a SPM criticou o enunciado, por ser "cientificamente pouco equilibrado, desnecessariamente repetitivo em relação a certos conceitos (por exemplo, a distância entre pontos no plano ou a inclinação de retas), deixando de abordar, por outro lado, assuntos importantes como a função logarítmica e as suas propriedades".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG