Maioria dos violadores desconhece as suas vítimas e ataca na via pública

Os violadores estão divididos em quatro perfis, sendo o mais comum o chamado violador de oportunidade, homem entre os 40 e 50 anos, que ataca na via pública e desconhece as suas vítimas, explicou à Lusa uma psicóloga da PJ.

Segundo a psicóloga da Polícia Judiciária (PJ) Cristina Soeiro, o estudo partiu da análise de 48 casos e foi possível concluir que o perfil que explica melhor o fenómeno da violação é o da oportunidade, "no qual o agressor comete a violação numa via pública ou numa zona descampada, a motivação do violado, que ronda os 40/50 anos, é a gratificação sexual imediata, tendo um baixo controlo dos impulsos".

Nestes casos, o violador não tem habitualmente antecedentes criminais, é pacífico e simpático na abordagem que faz à vítima, sendo elas próprias "de oportunidade, portanto desconhecidas". "De um modo geral, neste padrão, o violador não conhece a vítima e usa apenas a violência necessária para cometer o crime. Não usa armas, mas apenas o factor surpresa", explicou Cristina Soeiro.

Outro dos perfis estudados é o da agressividade, em que o violador tem um comportamento que indicia raiva e vingança, é consumidor de álcool e drogas e ataca vítimas mais jovens. Utiliza uma violência excessiva, recorrendo a armas de fogo ou objectos contundentes e pode ter antecedentes criminais por furto ou roubo.

Existe também o perfil de natureza sexual - violação e tentativa -, em que o agressor apresenta baixas competências sociais e quer transformar a violação numa relação sexual consentida. Tem um comportamento disfuncional para as vítimas. O quarto perfil denomina-se de contexto criminal, cujas violações resultam de situações de roubo e sequestro e algumas vezes terminam no homicídio da vítima.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG