MAI continua a "desperdiçar meios das forças de segurança"

Sindicato de Pessoal Técnico da PSP diz que metade dos polícias não faz trabalho de polícia

O Sindicato de Pessoal Técnico da PSP considerou hoje que o Ministério da Administração Interna (MAI) "continua a desperdiçar meios das forças de segurança", uma vez que "quase metade dos polícias não faz trabalho de polícia".

A estrutura sindical reagia assim ao facto de o MAI se preparar para libertar 612 elementos das forças de segurança - Polícia de Segurança Pública (PSP) e Guarda Nacional Republicana (GNR) - de funções burocráticas para missões operacionais, uma medida revelada à Lusa por fonte do MAI, no passado dia 10 de agosto.

Ao referir congratular-se com aquela "pequena, mas simbólica" medida do MAI, o sindicato diz esperar que o Ministério adote as medidas mais racionais e mais eficazes, para bem dos serviços e do país", lê-se numa nota da estrutura sindical.

Só na PSP, "entre um terço e metade dos seus quase 22 mil elementos estão adstritos a serviços não operacionais (...), ou seja, só na PSP (na GNR será muito mais), desperdiçam-se entre sete a 10 mil elementos operacionais (com formação qualificada, que custou milhões de euros ao erário público), e que podiam ser 'libertos' se se entregassem os trabalhos burocráticos a pessoal técnico (mais especificamente habilitado para o efeito), tal como se faz em praticamente toda a Europa", lê-se num comunicado da estrutura sindical.

"Por coincidência, no mesmo dia em que o MAI divulgou a 'reabilitação' dos referidos 612 elementos, sabia-se que o ministro das Finanças só autorizou a entrada de 300 novos polícias em vez dos 800 que o primeiro-ministro já prometera", recorda o sindicato, sublinhando que a formação de 300 novos polícias custará ao erário público cerca de nove milhões de euros, uma vez que a formação para cada novo polícia ronda os 30 mil euros.

Entretanto, sete a dez mil polícias "aguardam voltar às missões operacionais praticamente sem custos", acrescenta o sindicato, defendendo que a libertação destes novos polícias devia ser feita à semelhança do que acontece na Polícia Judiciária (PJ) e no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em que "os quadros não policiais são preferencialmente ocupados através de concursos de mobilidade interna na Função Pública".

"Mais racional, mais barato, mais eficaz", sustenta o sindicato, argumentando que, na PSP, nem o quadro de pessoal técnico previsto é cumprido, já que é preenchido "irracionalmente, por polícias operacionais".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.