Ferreira Leite faz campanha em carro do Governo Regional

Manuela Ferreira Leite deslocou-se, esta manhã, numa viatura Mercedes do Estado para um almoço, que diz ter sido a convite do Governo Regional da Madeira. Mas no programa do PSD o mesmo apresentava-se como um almoço partidário. Depois da contestação do PND a líder Social Democrata optou por um BMW pertencente ao partido para assistir à homenagem ao presidente da Junta de Tabua.

Pouco antes de Manuela Ferreira e Alberto João Jardim inaugurarem uma praça na freguesia da Tabua, dirigentes do PND protestaram contra o uso de uma viatura do Governo Regional e acusando Jardim de aproveitar as inaugurações para propaganda política. Dirigentes do PND protestaram consideraram as acções do Governo Regional partidárias.

O PND lamenta que Manuela Ferreira Leite “sufrague o comportamento do Governo Regional”, lembrando que, “se tal acontecesse com José Sócrates,  o Presidente da República já teria suspendido este acto eleitoral”, por ser um aproveitamento da confusão entre acções partidários e de governo.

Logo pela manhã, a líder do PSD, em campanha na Região Autónoma da Madeira, foi transportada numa viatura do Governo Regional. O facto tem causado estranheza da parte dos jornalistas, uma vez a visita de Ferreira Leite à Madeira se trata de uma acção partidária.

Questionada sobre a importância de vir à região, Manuela Ferreira Leite declarou considerar "inaceitável" não se deslocar à Madeira, “exemplo típico do bastião inamovível do partido”. Para Manuela Ferreira Leite, a Madeira "é o exemplo do que de bom o PSD faz. O local em todo o Portugal onde a política social-democrata tem mais efeitos visíveis: o êxito, desenvolvimento e o bem-estar das pessoas", acrescentou.

O trânsito parou hoje em algumas ruas da baixa da capital madeirense para ver passar a líder social-democrata na sua primeira visita à Madeira como presidente do partido, apesar de PSP não ter sido informada do corte das ruas.

Acompanhada por Alberto João Jardim, Manuela Ferreira Leite foi recebida junto à estátua do descobridor da Madeira, João Gonçalves Zarco, ao som do hino do PSD tocado por uma banda musical do PSD/M, e percorreu várias ruas da cidade acompanhada por muitos dirigentes, deputados, candidatos do PSD.

Cumprimentou populares, comerciantes, entre os quais as floristas que lhe ofereceram uma flor e um vendedor de fruta em cuja banca provou o "tabaibo" (figo da Índia), e foi saudada por muitas pessoas que observavam o cortejo desde as janelas e varandas.

No meio da multidão apenas se ouviu uma voz de apoio a José Sócrates na zona do Mercado dos Lavradores.

Questionada sobre a razão de só agora se ter deslocado a esta região, Manuela Ferreira Leite, explicou que "só agora foi possível dentro da volta da campanha eleitoral".

A líder do PSD rejeitou a crítica de que existe "asfixia democrática" neste arquipélago, argumentando que "quem legitima o poder é o voto do povo e não está ninguém aqui por imposição, é em resultado dos votos".

"Acho que há asfixia democrática no continente", adiantou, apontando que "todos os jornalistas, todos os empresários, muitas das pessoas da sociedade civil, percebem que estão sob algum tipo de chantagem".

Em relação à Madeira, "julgo que há comunicação social contra o governo, mas no continente muitas das vozes que são audíveis sofrem a respectiva retaliação"

Contrariou ainda a opinião dos que classificam de virtual a candidatura de Alberto João Jardim à Assembleia da República, sustentando que "ele é muito real e não está a candidatar-se a dois cargos ao mesmo tempo".   

Garantiu também que está no programa eleitoral do PSD a correcção das injustiças que têm sido feitas à Madeira.

"A única coisa que sei é que a Madeira foi altamente discriminada, fortemente perseguida pelo facto de ser do PSD. Não vou governar com base na cor dos eleitores, mas em nome dos interesses de Portugal", afiançou.

Disse ainda não se sentir "absolutamente nada incomodada" por  participar hoje numa inauguração do presidente do Governo Regional, o Centro Cívico das furnas, no concelho da Ribeira Brava, concluindo que tem criticado  que se tenha utilizado dinheiros públicos para fazer campanha e fazer uma inauguração não gasta dinheiros públicos".

O programa de Manuela Ferreira Leite à Madeira inclui uma deslocação à freguesia da Tábua, concelho da Ribeira Brava, para uma homenagem ao mais antigo autarca do país, António Ramos.

Exclusivos