Exército garante apoio à família da vítima mortal

O Exército assegurou hoje apoio aos familiares da vítima mortal do acidente com uma viatura militar envolvida no combate aos incêndios florestais no Funchal e o acompanhamento dos quatro feridos, dois civis e dois militares, que resultaram do sinistro.

"O Exército deslocou de imediato para o local uma equipa médica, uma equipa de peritagem para apuramento das causas do acidente e irá disponibilizar apoio aos familiares da vítima mortal, bem como o acompanhamento da situação dos feridos no acidente", lê-se num comunicado da instituição militar.

O comunicado informa que o acidente ocorreu pelas 12:30, na Barreira, freguesia de Santo António, quando a viatura "ficou desgovernada numa descida, tendo embatido em vários automóveis e acabado por ficar imobilizada na entrada de uma casa".

Reiterando o "profundo pesar à família enlutada", o Exército repete que "já procedeu à abertura de um inquérito para apuramento das circunstâncias" do acidente e assegura que vai "continuar a garantir o apoio que tem sido dado às entidades e às populações vítimas dos fogos florestais".

Segundo o comunicado, o Exército tem empenhado na região, diariamente e de forma contínua, durante 24 horas, "20 militares e três viaturas para realizarem patrulhas de vigilância contra incêndios, em reforço das ações de prevenção e vigilância, nos concelhos de Funchal, Santa Cruz, Ribeira Brava e Calheta em apoio às corporações de bombeiros".

No território continental e no âmbito do apoio à Autoridade Nacional de Proteção Civil no combate aos fogos florestais, "estão em curso um conjunto de operações de consolidação, vigilância ativa e colaboração com as autoridades locais", tendo sido já mobilizados "cerca de 850 militares e 112 viaturas, entre as quais máquinas de rastos para abertura de aceiros".

O incêndio florestal começou às 02:30 de sexta-feira, na freguesia do Monte, e agravou-se ao início da tarde desse dia, passando para as zonas altas da freguesia de São Roque e também para Santo António, onde surgiram novos focos.

Na madrugada de sábado, o Hospital dos Marmeleiros, no Monte, com cerca de 200 utentes, foi evacuado e dezenas de pessoas, na mesma freguesia, foram retiradas das suas casas.

O Regimento de Guarnição n.º 3, do Exército, no Funchal, acolheu centena e meia destes doentes, numa operação que mobilizou cerca de 50 militares, após solicitação do Governo Regional, tendo também recebido vários desalojados.

Entretanto, o Governo Regional da Madeira fez saber que "lamenta o acidente" e manifesta "a sua solidariedade para com as vítimas e as suas famílias, neste momento difícil", assim como ao Exército que, "de forma empenhada, tem disponibilizado todo o apoio às populações afetadas".

Exclusivos