Lisboa recebe congresso dedicado ao puro sangue lusitano

O cavalo lusitano vai estar no centro de um congresso internacional agendado para o início de Julho em Lisboa e que vai analisar temáticas relacionadas com o passado, o presente e o futuro da raça.

O presidente da Associação do Puro Sangue Lusitano (APSL), Luís Vinhas, disse à Lusa que este será o primeiro congresso internacional dedicado à raça, contando com a participação das várias associações de criadores espalhadas pelo mundo.

Segundo o responsável, a primeira parte do congresso será destinada à apresentação de estudos sobre a origem da raça e a forma como se expandiu pelo mundo, uma "arqueologia genética" que parte da análise do DNA dos animais que estiveram na origem do lusitano, algures entre os mares Cáspio e Negro.

Depois, serão debatidas questões relacionadas com os vários "usos" do cavalo lusitano, desde o turismo, à tauromaquia, à equitação artística e à 'dressage', culminando o congresso com perspetivas sobre o futuro.

Ao congresso, que se realiza na Torre do Tombo, a 5 e 6 de Julho, segue-se, de 7 a 10, o Festival Internacional do Cavalo Lusitano, que regressa às instalações da Sociedade Hípica Portuguesa, disse o presidente da APSL.

Luís Vinhas referiu o enorme potencial de uma raça que começa a marcar presença um pouco por todo o mundo, sobretudo pelas suas características para o ensino.

A direção a que preside desde março vai dar continuidade ao projeto de aliar o cavalo puro sangue lusitano a outros produtos de excelência nacionais, igualmente exportadores, como a cortiça, o vinho e o azeite.

O anterior presidente da APSL, Miguel Campilho, disse à Lusa que o objetivo deste projeto é "levar a conhecer o cavalo lusitano ao mundo", acreditando que "uma promoção em conjunto, programada e pensada" permitirá, no futuro, a associação de outros produtos de excelência do mundo rural português.

Agora a tomar conta da pasta, Luís Vinhas não esconde o entusiasmo pelo "trabalho fascinante" que tem pela frente, nomeadamente, pelo potencial que o cavalo lusitano apresenta no mercado externo, sobretudo nos países emergentes, mas também na Europa.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG