Lisboa: BE não quer a PPP da habitação para coabitar com Medina

Fernando Medina já teve encontros informais com BE e PCP para iniciar negociações para garantir maioria no município. Bloquistas apresentaram propostas para "viragem política"

Com a tomada de posse prevista para 24 de outubro, o socialista Fernando Medina ainda tem tempo para procurar os entendimentos à esquerda que lhe faltam para governar Lisboa em maioria. E do lado do Bloco de Esquerda, o presidente eleito já conhece o ponto fulcral do caderno de encargos para um eventual acordo: substituir a "parceria público-privada" (PPP) prevista por um "programa de habitação integralmente público". Há outras matérias em cima da mesa, mas aquela é a pedra de toque.

Do lado socialista, o encontro informal de 5 de outubro, pedido por Fernando Medina, serviu mais para ouvir da disponibilidade dos bloquistas, que se fizeram representar por Ricardo Robles, o vereador eleito em Lisboa pelo BE, e por Isabel Pires, dirigente bloquista na capital.

Em comunicado, ontem divulgado, o BE "reafirmou a disponibilidade transmitida na campanha eleitoral para uma viragem política". Para que esta "viragem" vingue, os bloquistas incluem, "entre outras áreas programáticas", "a construção de creches municipais, o resgate da taxa do turismo, a recuperação dos transportes públicos" mas também uma outra política de habitação. É aqui que o BE quer "a concretização de programas de habitação que protejam as famílias contra despejos abusivos e substituam a PPP prevista por um programa de habitação integralmente público".

Segundo os bloquistas, "as conversações continuarão nas próximas semanas", mas Fernando Medina tem vontade em avançar substantivamente na próxima semana.

O recém-eleito presidente da Câmara de Lisboa defende no seu programa que quer "alargar o Programa de Renda Acessível a Operações Urbanísticas de Iniciativa Privada", para "tornar obrigatória a afetação ao programa de renda acessível" (outra proposta de Medina) "de 25% dos fogos novos em operações urbanísticas de iniciativa privada de dimensão superior a 20 fogos". Segundo a proposta socialista, "os imóveis poderão ser adquiridos pelo Município ou manter-se na propriedade privada com reserva de uso pelo município" e "poderão ainda ser construídos em terreno municipal ou por recurso a créditos de construção".

É aqui que os bloquistas torcem o nariz. Ricardo Robles defendeu na campanha aquilo que transmitiu a Fernando Medina na quinta-feira: um "programa de habitação integralmente público", que passa por disponibilizar 7500 casas a preços acessíveis, utilizando também verbas da taxa turística.

O PCP também já se encontrou com o autarca socialista, que perdeu a maioria para governar Lisboa. Publicamente, os comunistas fizeram saber que estão disponíveis para "convergências pontuais", mas sem replicar a "solução nacional", como explicou Jerónimo de Sousa. E não há fumo branco para qualquer lugar de vereador. A próxima semana pode trazer novidades sobre que outra geringonça se pode montar em Lisboa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.