Linha da Criança recebeu dois contactos por dia em média em 2012

Os maus-tratos, a negligência e a responsabilidade parental motivaram quase metade dos 682 telefonemas feitos em 2012 para a Linha da Criança, do provedor de Justiça, que recebeu uma média de dois contactos por dia.

A Linha da Criança faz parte do Núcleo da Criança, do Idoso e do Cidadão com Deficiência (N-CID), do provedor de Justiça, e segundo o mais recente relatório de atividades, a que a Lusa teve acesso, recebeu 682 chamadas, menos 58 do que em 2011.

Entre 2010 e 2012, a Linha da Criança perdeu cerca de 20,3% de chamadas, depois de ter registado 856 em 2010 e de em 2012 ter recebido 682.

"A explicação para este fenómeno talvez se possa encontrar, por um lado, na existência de diversos serviços de natureza similar e, por outro lado, na disseminação por todo o território nacional das comissões de proteção de crianças e jovens", diz o provedor.

No topo das razões para contactar a Linha da Criança está o exercício das responsabilidades parentais (210), que representa um terço do total das chamadas, logo seguido dos maus-tratos físicos e psíquicos (78) e da negligência (44). Juntos, estes três representam quase metade do total das chamadas efetuadas.

"Por certo ligadas à situação económica do país, foram inúmeros os pedidos dirigidos às 'carências económicas e familiares' (29) ", aponta o provedor.

A Linha da Criança recebeu também 13 chamadas por causa de abusos sexuais, 12 relativas a problemas com as visitas aos avós, ou 10 por exposição a violência doméstica, entre outros.

Em regra são os pais quem contacta a Linha da Criança (232 telefonemas), mas houve também 14 crianças ou jovens a ligar para linha.

Olhando para o nível etário das crianças ou jovens que motivam o contacto, o provedor de Justiça verificou que a maioria (em 249 telefonemas) tem entre os 3 e os 12 anos.

Já em relação ao género, das 419 crianças identificadas, 226 eram rapazes e 193 eram raparigas.

Exclusivos