Juízes querem pôr perseguidores de mulheres na prisão

Grupo de magistrados assume "a necessidade urgente de dar mais atenção" ao fenómeno de perseguição obsessiva (stalking) e exige a criminalização deste comportamento.

Vinte por cento das mulheres inquiridas pelo CEJ dizem-se vítimas deste assédio. Juízes e procuradores querem pena de prisão com limite máximo até aos sete anos.

Mais pormenores no epaper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG