Juízes exigem data para resolver problemas do Citius

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses envia carta aberta à ministra da Justiça e ao Conselho Superior da Magistratura pedindo medidas urgentes para suspensão dos prazos judiciais

Uma exdplicação técnica sobre a origem do problema informático, uma data para a resolução do problema, aprovação de legislação que suspenda todos os prazos judiciais são algumas das exigências feitas esta quinta-feira pelo sindicato dos juízes.

José Mouraz Lopes, num documento de duas páginas enviado ontem a Paula Teixeira da Cruz pede apela ainda a que os juízes auxiliares e os de bolsa fiquem listados no Citius, de forma a poderem receber processos. "Na verdade, muitos juízes, designadamente auxiliares e do quadro complementar, continuam a não conseguir, sequer, aceder ao Citius", pode ler-se no documento, a que o DN teve acesso.

"Três semanas depois da entrada em vigor da lei de Organização do Sistema Judiciário, a plataforma Citius continua inoperacional na generalidade dos tribunais", denuncia.

A evidência e gravidade dos problemas acumulados bem como a ausência de respostas transitórias (...) leva-nos a requerer uma tomada de posição sobre medidas que entendemos como mínimas", concluiu o aviso.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.