Juízes em greve depois das autárquicas. Validação dos resultados boicotada

Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) passa paralisação de agosto para outubro de forma a pôr em causa a validação dos resultados eleitorais

A Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP), reunida este sábado em Coimbra, decidiu marcar uma greve dos magistrados para outubro, logo a seguir às eleições autárquicas.

"Entendemos dar ao primeiro-ministro tempo para avaliar a nossa carta e entendemos adiar a greve para os primeiros dias de outubro", disse o secretário-geral João Paulo Raposo em declarações ao DN.

A paralisação, que inicialmente estava prevista para agosto - perturbando as referidas eleições no sentido de não serem assim feitas as validações das candidaturas - passará assim para o período em que os magistrados deveriam fazer a validação dos resultados, que desta forma ficarão boicotados.

Em causa o facto de o Governo se ter recusado a aumentar os salários nas negociações de revisão do Estatuto dos Magistrados Judiciais que terminaram há poucos dias sem acordo. Reunidos este sábado em Coimbra, os membros da Associação Sindical de Juízes Portugueses entenderam que uma greve em agosto, altura em que têm de validar as listas de candidatos às autárquicas, seria suscetível de aproveitamento político em plena campanha eleitoral. "E consideramos que temos de dar um prazo razoável ao primeiro-ministro para apreciar as nossas reivindicações".

A ASJP pediu na segunda-feira a intervenção do primeiro-ministro numa carta aberta que entregou a António Costa. Na missiva, o sindicato classifica como "verdadeiramente lamentáveis" alguns episódios no âmbito das conversações e reitera que o seu resultado é "inaceitável".

Exclusivos