Johnson pisou o risco, recuperou e agora é exemplo para os jovens

Ex-recluso e ex-toxicodependente, Johnson Semedo deu a volta e agora tem uma academia na Cova da Moura. Fala de comportamentos de risco nas escolas da Amadora.

Johnson Semedo usa a sua história de vida para mostrar aos mais jovens as consequências que as más opções podem ter na vida. Andou perdido - "andávamos fora de nós quando éramos miúdos" - no mundo da droga e da delinquência. Passou dez anos detido, saiu, livrou-se da droga e hoje inspira as novas gerações. Tenta evitar que os adolescentes sigam por maus caminhos e usa o desporto como escolha positiva. A sua história foi levada a dez escolas do concelho da Amadora, através do projeto Escolhe Viver de literacia de saúde, promovido pela farmacêutica AbbVie com o apoio da Câmara Municipal da Amadora.

O primeiro passo para estar do lado certo é "conquistar as amizades e refletir as nossas escolhas", alertou ontem perante alunos da Escola Básica José Cardoso Pires. Estudar é outro ponto fundamental. "Quem me dera quando tinha a vossa idade ter a cabeça fresca para estar aqui a instruir-me para ser alguém". Johnson frequentou a primária e aos nove anos já vivia na rua. O consumo de droga e a delinquência afastaram-no "dos valores" dos pais. Acabou preso aos 18 anos e mesmo aí continuou a consumir drogas. O primeiro passo para a mudança aconteceu quando o pai morreu, dias depois de o ter visitado no hospital e ter percebido como se tinha afastado do caminho. Estava a cumprir o oitavo ano de reclusão e decidiu que iria deixar a droga. O que só fez quando saiu da prisão, mas teve uma recaída após a morte da mãe, dois anos mais tarde. Foram mais sete meses "a pensar que o mundo era injusto e que a culpa era dos outros". "Um dia pensei que a minha mãe quando morreu me tinha deixado bem. Estive uma comunidade dois anos e saí de lá livre."

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG