Já há ofertas para contratar médicos por 800 euros por mês

Clínica de Braga está a admitir um especialista em medicina geral por 800 euros mensais, com uma folga semanal rotativa

"Admite-se Médico /a especialista em Medicina Geral e Familiar. Em horário: das 10h às 16.30 com uma folga semanal rotativa. Condições iniciais:800 euros mensais". O anúncio de emprego - colocado por uma clínica de Braga, através de uma empresa prestadora de serviços - circula há três semanas no portal de emprego no Linkedin, e provavelmente a vaga continua por preencher.

O valor da remuneração proposta indicia que a precariedade está a chegar a uma área tão sensível como a medicina, embora os jovens médicos não façam chegar essas denúncias à Ordem ou aos sindicatos. "É um valor inaceitável", disse ao DN o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães. Confrontado com a oferta, o médico adverte no entanto para a possibilidade de se replicar: "Os médicos em Portugal têm um nível de remuneração que não corresponde à responsabilidade que têm, isso é facilmente avaliável pelo que já existe em jurisprudência, sobre as indemnizações que os médicos têm que pagar por erros cometidos ou por complicações. O volume a pagar é completamente desproporcional àquilo que são as remunerações habituais dos médicos a nível do serviço público. Temos dos valores mais baixos da Europa. Só nos países de leste é que há remunerações abaixo", sublinha o bastonário. A remuneração - que varia consoante o grau na carreira médica, mas chega a atingir os 50/60 euros por hora - é apenas um dos fatores que tem afastado os médicos do Serviço Nacional de Saúde. "Com os cortes nos últimos anos, também há médicos que chegam a ganhar valores na casa dos cinco/ seis euros por hora, o que é inaceitável para a responsabilidade que têm no exercício da sua profissão", lembra Miguel Guimarães.

Uma parte significativa dos médicos está a optar por não continuar no SNS, mas antes no setor privado. São empurradas para isso. Lá as condições de trabalho são altamente concorrenciais com o setor público. E depois outros optam pela emigração", disse. O responsável máximo da Ordem dos Médicos acredita que só há uma forma de inverter a situação: melhorando as condições de trabalho, a vários níveis. "O primeiro tem a ver com respeito do poder político - desde as estruturas do Governo às de direção hospitalar, ARS. Porque as condições são más. Por exemplo, no acesso à formação, muitos vão fazê-la quando têm o apoio da indústria farmacêutica, quando não têm são eles a pagar. Depois fazem cada vez mais horas extraordinárias para tapar buracos no Serviço Nacional de Saúde. É evidente que um médico nessa perspetiva olha para fora e sai. E infelizmente para o nosso SNS uma parte significativa dos médicos está a sair". O bastonário acredita que " existem outras alternativas para tentar manter os médicos no país", e fala no exemplo dos dias de férias. "Em França fizeram isso muito bem, deram mais 10 dias de férias aos médicos. Chegam aos 45 dias, enquanto cá têm 22 ou 23". Depois aponta a formação: "O Estado dá vários dias por ano para formação, mas não a patrocina. E a formação médica é muito cara. Num congresso nacional ou internacional, em que estão as pessoas com mais conhecimento, as inscrições infelizmente são muito elevadas. Um congresso chega a custar 1500 euros, só a inscrição. Conheço médicos que enviaram trabalhos, foram aceites por congressos internacionais e acabaram por não ir apresentar porque não tinham apoio".

Envelhecimento acima da média

Outra forma de fixar os médicos no setor público é "dar condições ao nível do que são os equipamentos, a tecnologia necessária para eles atuarem de acordo com as suas práticas", acrescenta Miguel Guimarães. "Muitos médicos acabam por não ir para alguns hospitais de algumas áreas mais carenciadas, porque sabem à partida que ali não vão ter oportunidade de fazer determinado tipo de procedimentos que poderão fazer num hospital mais central. E isso é limitante. Porque um jovem que acaba a especialidade depois acaba por querer ir para a privada ou para fora do país", conclui. A propósito, lembra que Portugal tem para resolver outro problema grave no que diz respeito à classe médica, cuja taxa de envelhecimento é superior ao da população em geral . "E uma parte significativa dos jovens médicos está a sair, para o privado e para fora do país. Se não conseguirmos fixar esses médicos vamos perder a pouco e pouco a capacidade de inovação e de acompanhar aquilo que o professor João lobo Antunes dizia, a "nova medicina", que é mais tecnológica, um pouco diferente daquela que praticávamos há uns anos atrás. E é importante cruzar os que têm as experiências adquiridas anteriormente com esses. Estamos a formar muitos jovens que são top a nível europeu na área da informática e da tecnologia e eles [do resto da Europa] vêm cá buscar os melhores; dão melhores condições, oferecem projetos novos", salienta o bastonário. Também Jorge Roque da Cunha, presidente do Sindicato Independente dos Médicos, se mostra chocado com o anúncio da clínica de Braga. No entanto, encontra justificação: "O Ministério da Saúde, ao permitir o pagamento de mais de 50 euros à hora a médicos fora do serviço nacional de saúde, fechando os olhos à necessidade de os fixar, tudo está a fazer para que o preço da mão de obra médica possa vir para valores muito mais abaixo. Lamentavelmente não se preocupa em encontrar condições - juntamente com a Ordem dos Médicos - de qualificação desses médicos. E se não houver condições para os médicos se especializarem pode banalizar-se uma situação dessas", nota.

Já o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Mário Jorge Neves, não desmente a existência de mais ofertas de emprego do género, mas ao conhecimento daquela estrutura sindical não têm chegado. "Estes casos nunca se sabem, a não ser quando se "zangam as comadres". Essas pessoas não contactam o sindicato, só num processo de contencioso", adverte. De resto, não tem dúvidas de que "Quem apresenta um ordenado destes pretende não contratar propriamente um médico, mas um curandeiro. Ou então não se safa no mercado atual, onde pagamentos feitos pelo estado às empresas de assistência médica chegam a atingir os 50 e 70 euros à hora. Não estou a ver essa possibilidade porque ainda por cima o mercado não está saturado".

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.