Já há data para PS, BE e PCP revelarem acordo

Acordo é divulgado durante discussão do programa do PSD/CDS. "Momento em que vamos apresentar o programa de Governo", revelou Carlos César

Acordo PS, Bloco e PCP será divulgado com a discussão do programa do executivo PSD/CDS-PP

A apresentação do acordo para a formação de um executivo alternativo estará "associado" à discussão do programa de Governo da coligação, dias 09 e 10 de novembro.

Este calendário foi referido aos jornalistas pelo presidente do Grupo Parlamentar do PS, Carlos César, no final da primeira reunião da bancada por si presidida.

O acordo ficará associado ao momento em que vamos apresentar o programa de Governo

"Dias 09 e 10 [de novembro], o PS demonstrará que, não sendo a alternativa de Governo PSD/CDS aquela que se deseja para o país, há uma outra mais coerente, mais estável e mais duradoura", declarou o presidente dos socialistas.

"Será um acordo transparente. Demonstrará ao país e a todas as instituições envolvidas nos processos de decisão próximos que há uma alternativa estável, duradoura, respeitadora dos compromissos nacionais e que não é só um acordo de investidura, mas também um acordo de legislatura", acentuou o presidente do PS, aqui numa alusão ao Presidente da República.

Estamos em condições de reiterar perante o país que essa alternativa de Governo existe

Perante os jornalistas, Carlos César afirmou que o PS "garantirá uma conduta responsável e assente na melhor interpretação do interesse nacional".

"O PS só inviabiliza a constituição de um Governo que seja liderado pela coligação PaF (Portugal à Frente) existindo uma alternativa sólida e consolidada de Governo. Ou seja, o PS não deixa o país sem Governo. Que o país terá Governo e que a vontade do parlamento deve ser sempre respeitada", declarou o presidente do PS.

Carlos César criticou depois "a demora" no processo de constituição do Governo, "que agora foi atrasado pela decisão do Presidente da República" no sentido de indigitar o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, para formar novo executivo.

"Agora é preciso ultrapassar rapidamente este processo. A discussão do programa de Governo só ocorrerá nos dias 09 e 10 de novembro, é mais um tempo desnecessário fica à espera e em que as instituições internacionais nos observam aguardando um desfecho", acrescentou

A eleição de César

O presidente do PS foi hoje eleito líder da bancada socialista, sucedendo a Ferro Rodrigues, com 71 votos favoráveis num total dos 85 deputados votantes, cerca de 83,5 por cento.

Na eleição para a direção da bancada do PS, de 86 deputados do PS, votaram 85 e registaram-se cinco votos contra e nove brancos.

Por escolha de Carlos César foram também eleitos vice-presidentes da bancada Ana Catarina Mendes e Pedro Nuno Santos, os únicos que transitam da anterior direção do Grupo Parlamentar do PS.

A lista de vice-presidentes inclui ainda João Galamba e Fernando Rocha Andrade (ambos do Secretariado Nacional do PS), Lara Martinho (Açores), Carlos Pereira (Madeira), Pedro Delgado Alves, José Apolinário, Susana Amador, José Luís Carneiro, Helena Freitas e Ana Paula Vitorino.

Na mesma série de votações na bancada socialista, o secretário nacional do PS para a Organização, Jorge Gomes, foi eleito para presidir ao Conselho de Administração do Grupo Parlamentar, tendo obtido 75 votos a favor, dois contra e oito brancos.

Já o deputado João Paulo Correia (eleito pelo círculo do Porto) foi eleito presidente do Conselho Fiscal do Grupo Parlamentar, com 79 votos a favor, um contra e cinco brancos.

Da anterior direção do Grupo Parlamentar do PS, que era liderada por Ferro Rodrigues - entretanto eleito na sexta-feira para o cargo de presidente da Assembleia da República -, faziam parte o presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL), Marcos Perestrello, o antigo ministro Vieira da Silva, assim como os deputados Sónia Fertuzinhos, Hortense Martins, Inês de Medeiros, Isabel Santos e João Paulo Correia.

Saíram também dos cargos de vice-presidentes, por já não terem integrado as listas de candidatos a deputados do PS nas últimas eleições legislativas, Luís Pita Ameixa, Mota Andrade e Jorge Fão.

Na eleição de Ferro Rodrigues realizada a 03 de outubro de 2014, a lista proposta obteve 69 por cento de votos favoráveis - uma percentagem idêntica àquela que registara em 2013 Alberto Martins.

Em 2014, num total de 74 deputados, votaram 65, com a lista proposta por Ferro Rodrigues a obter 45 votos a favor (69 por cento), 11 contra (17 por cento), seis brancos (nove por cento) e três nulos (cinco por cento).

Exclusivos