IPO vai fazer cirurgias em hospital de campanha do exército

Unidade de cirurgia de ambulatório do Instituto Português de Oncologia de Lisboa vai entrar em obras e será substituída, durante o próximo ano, por um bloco operatório cedido pelo Exército. Estrutura de três contentores foi montada ontem em poucas horas

Às portas do IPO de Lisboa, a calma manhã do feriado dá lugar a uma operação de enorme aparato. Três contentores de dez toneladas são descarregados de camiões por uma gigantesca empilhadora. Acabam de chegar de Tancos e são colocados no que é, habitualmente, o parque de ambulâncias do instituto, junto ao edifício principal. À volta, militares atarefam-se a instalar e a encaixar os módulos. Quem passa olha com estranheza - o que é aquilo?

Parece um exercício de legos, mas em versão gigante e longe de ser uma brincadeira. "Aquilo" é o bloco cirúrgico do hospital de campanha do exército, três contentores onde, a partir de janeiro, passará a funcionar a unidade de cirurgia ambulatória do IPO. O conjunto inclui uma sala de desinfeção, um bloco operatório propriamente dito, e uma unidade para recobro, já com os equipamentos necessários à realização de cirurgias. Sendo um equipamento móvel, destinado a ser usado por exemplo em situações de catástrofe, o módulo cirúrgico é autossuficiente.

A operação que ontem decorreu no edifício do IPO, junto à Praça de Espanha, em Lisboa, resulta de uma parceria inédita entre o Exército e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa. O IPO vai avançar no próximo ano com a construção de uma nova Unidade de Transplante de Medula e com a ampliação do Bloco Operatório Central, obras que vão decorrer no pavilhão onde funciona atualmente a Unidade de Cirurgia Ambulatória, que terá assim de ser desativada. Posto o problema, e dado que a suspensão das cirurgias não era uma hipótese, Sandra Gaspar, do Conselho de Administração do Instituto, conta que o IPO admitiu alugar um hospital de campanha provisório. E como esta é uma área em que o exército tem experiência, contactou os militares. Foi neste contexto que o exército se disponibilizou a ceder os três contentores que ontem chegaram a Lisboa.

O tenente-coronel João Santana comanda a operação de montagem do bloco cirúrgico, que é apenas uma parte do hospital de campanha do exército. Além dos três módulos que agora vieram para o IPO, a "unidade sanitária de apoio a eventos e catástrofes" integra ainda (entre contentores e tendas) espaços para triagem, emergências, consultas, tratamentos, internamento e farmácia. Uma estrutura que, na sua totalidade, pode ser montada em 12 horas, diz João Santana.

Além do transporte e colocação no terreno - uma operação nada fácil , dadas as dimensões e o peso do equipamento (que segue os standards definidos pela NATO, podendo ser transportado num C-130 e usado em missões internacionais) - o módulo tem outros requisitos de montagem. Por exemplo, o contentor que serve de sala de operações, sendo um bloco retangular como os outros, é extensível dos dois lados, acabando por formar um quadrado que triplica a área inicial do módulo. Lá dentro estão todos os equipamentos necessários numa sala de operações.

Sandra Gaspar chama-lhe uma "parceria win-win" (leia-se em que os dois lados ganham) e o porta-voz do exército, tenente-coronel Vicente Pereira, destaca as "vantagem" que também os militares esperam retirar desta experiência, testando o hospital numa situação real,"fora do ambiente de treino dos exercícios militares". Sendo o equipamento também destinado ao apoio à população civil - no último Dia do Exército foi montado em Elvas, onde os militares prestaram apoio médico à população, em parceria com o hospital local - em grandes eventos ou em situações de catástrofe, esta experiência vai também constituir "uma validação por parte de técnicos especializados e experientes". Para já o exército terá três pessoas que ficam a trabalhar com as equipas do instituto.

"Não estamos a correr riscos"

Sandra Gaspar garante que os doentes que serão operados nesta estrutura, ao longo do próximo ano, "não vão sentir diferença" relativamente às instalações atuais. Na parte exterior os três módulos vão ficar tapados, fora do olhar de quem passa, e o acesso dos doentes será feito pelo edifício principal. A ligação ao bloco cirúrgico será feita por uma manga, que já foi ontem montada. "Os doentes serão acolhidos e preparados para a cirurgia nas instalações que já conhecem, não vão ter a sensação de que estão a entrar para um contentor militar", afirma ao DN. Já quanto às condições para a realização de cirurgias de ambulatório, o diretor clínico do IPO, João Oliveira, garante que não há lugar a experimentalismos. As instalações foram previamente analisadas por uma equipa de "médicos, cirurgiões, anestesistas, enfermeiros", que esteve em Tancos para garantir que o equipamento era adequado às necessidades. "Não estamos a correr riscos", diz ao DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG