Voto aprovado defende mudança de sexo sem tutela médica

Bancada social-democrata e deputados centristas abstiveram-se em voto de saudação ao dia contra homofobia que defende direitos das pessoas trans

O Parlamento aprovou um voto que defende que as pessoas trans devem poder alterar de sexo no registo civil "sem a tutela de médicos e psicólogos". Na votação final do "voto de saudação ao Dia Internacional e Nacional Contra a Homofobia e Transfobia" o PSD e parte da bancada do CDS abstiveram-se, apesar de em 13 de abril terem votado contra a proposta que possibilitou essa alteração de género sem atestado médico, que o Presidente da República vetou com esse mesmo argumento

No texto apresentado pelo BE - depois de enumeradas sucessivas mudanças legislativas - aponta-se que "a remoção da discriminação legal das pessoas LGBTI+ está em marcha mas ainda incompleta". E é neste ponto que se afirma que "importa garantir ainda, às pessoas trans, a alteração do registo civil sem a tutela de médicos e psicólogos garantindo o direito à autodeterminação de género que é automaticamente e naturalmente reconhecido a qualquer outra pessoa".

Com a aprovação deste voto de saudação, a Assembleia da República saudou o Dia Internacional, que se celebrou ontem, e reafirmou "o compromisso da consagração da igualdade de direitos para todas as pessoas e do combate a qualquer tipo de discriminação e violência contra as pessoas LGBTI+, na lei e na vida concreta".

PS, BE, PCP, PEV e PAN votaram a favor, sete deputados do CDS (Isabel Galriça Neto, António Carlos Monteiro, Filipe Anacoreta Correia, Ilda Araújo Novo, Vânia Dias da Silva, Patrícia Fonseca e Álvaro Castelo Branco) e um do PSD (Miguel Morgado) votaram contra, com as bancadas social-democrata e centrista a absterem-se.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.