Voo da TAP para o Funchal retido na pista três horas

A partida devia ter acontecido às 10:45, mas às 13:00 os passageiros ainda aguardavam a descolagem do avião

O voo TP1671 com destino à Madeira está há cerca de quatro horas parado na pista do aeroporto de Lisboa, à espera de autorização para descolar, avança o site Funchal Notícias.

O voo devia ter-se realizado às 10:45, tendo o embarque sido efetuado à hora certa. O que significa que os passageiros estiveram retidos na aeronave cerca de quatro horas, uma vez que na zona de táxi, não é permitido o desembarque de passageiros.

Segundo o mesmo site, o voo partiu às 13:00. A justificação da TAP para o atraso deve-se a condicionamentos relacionados com o tráfego aéreo.

O DN contactou a TAP, que explicou que este é um "dia difícil para todas as operações no aeroporto de Lisboa, para todas as companhias" e adianta que as dificuldades se prendem com a "falta de capacidade de infraestruturas" da Portela. Isso mesmo se pode confirmar com uma visita ao site das partidas em tempo real do aeroporto.

Fonte oficial da ANA Aeroportos afiança ao DN que os atrasos de domingo foram fruto "de uma complicação na gestão de trafego aéreo europeu. Depois foi uma bola de neve." Ou seja, o primeiro voo que chegou atrasado, atrasou os seguintes, o que piora quando o aeroporto "trabalha no limite."

Notícia atualizada às 17:35

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.