Voluntários ou mão de obra ilegal? PS questiona Governo e RTP

PS quer esclarecimentos sobre o programa de voluntariado do Festival. Um terço das pessoas que vão assegurar o evento não será remunerado

O PS pediu hoje esclarecimentos sobre o programa de voluntariado do Festival Eurovisão da Canção. O grupo parlamentar socialista diz que o programa "parece pretender preencher vagas temporárias de trabalho à margem da legislação laboral vigente em Portugal". Num comunicado divulgado esta sexta-feira, o deputado Tiago Barbosa Ribeiro coloca duas questões ao Ministro da Cultura: Se "o Governo tem conhecimento da situação" e se a RTP participou na definição do programa "de designado voluntariado".

O elevado número de voluntários (cerca de 300) pedido é uma das questões apontadas.

"Pelas características que foram apresentadas, pelo número de voluntários requeridos, este programa remete na verdade para necessidades laborais essenciais à realização do evento, incluindo apoio às delegações de 42 países, ajuda nos hotéis onde as comitivas internacionais estarão instaladas, trabalho em vários locais onde decorrerão atividades relacionadas com o evento (incluindo discotecas) e apoio na sala de conferências de imprensa", diz Tiago Barbosa Ribeiro, que é o primeiro subscritor deste pedido de esclarecimento.

O comunicado refere ainda que no pedido de voluntários é exigida a obrigatoriedade de trabalho por turnos e o domínio de línguas estrangeiras, e que o trabalho voluntário destina-se a realizar "atividades técnicas num evento comercial com um orçamento superior a 20 milhões de euros".

Tiago Barbosa Ribeiro afirma que "este programa de voluntariado parece ser uma forma de contornar a contratação de trabalhadores devidamente remunerados para as necessidades do Festival da Eurovisão" e dá conta de várias denúncias sobre o regime de voluntariado delineado pela organização do Festival Eurovisão da Canção. A provar-se o "recurso à figura de falso voluntariado para obter mão-de-obra sem a pagar", "os responsáveis devem suspender de imediato este programa e acomodar a contratação de trabalhadores", lê-se ainda na nota socialista.

O deputado questiona igualmente o Governo se o orçamento para este evento "não acomodou os montantes adequados à contratação de pessoas e serviços para a sua execução".

O formulário inicial de candidatura para os voluntários ao Festival da Eurovisão pedia voluntários que fotografassem e filmassem as atividades dos outros voluntários durante o evento e ainda que editassem pequenos vídeos para as redes sociais. Teriam ainda de editar um vídeo final de resumo do projeto. Era exigido o material necessário - a organização não disponibiliza dormidas e ainda não era claro que fornecesse bilhetes para os transportes públicos. Os voluntários teriam também de ter alguma experiência em fotografia, filmagem e edição de vídeo, o que provocou fortes críticas nas redes sociais e em fóruns de discussão.

Segundo a Rádio Renascença (RR), dias depois dos comentários críticos na Internet, as funções ligadas aos media desapareceram da lista, tal como os requisitos do material próprio para cumprir a função. À RR, a diretora de marketing estratégico e de comunicação da RTP garantiu que se tratou de um lapso.

"Não deveria estar no formulário, só percebemos que estava na sexta-feira e, como foi um lapso, corrigimos", escreveu Marina Ramos num email de resposta.

A RTP e o Instituto Português do Desporto e Juventude, que estão a lançar o processo de recrutamento, têm 18 funções em aberto para 400 voluntários de toda a Europa, mas os portugueses serão os primeiros a ser chamados.

O número de voluntários pedido corresponde a um terço do total das 1.100 pessoas que vão estar envolvidas na organização do Festival da Eurovisão 2'018, desde a preparação até a desmontagem, no período de 1 de abril a 15 de maio.

Segundo a RR, a RTP defende que este é um modelo internacional e que o recurso ao voluntariado faz parte do modelo do ESC (Festival da Eurovisão) e que o objetivo é proporcionar experiências profissionais e contactos, a nível internacional, normalmente muito apelativos para quem quer enriquecer o currículo, participando em eventos internacionais".

E o que irão os voluntários fazer? Assistência à coordenação de transportes, atendimento no "front desk", ajuda na organização de prioridades dos espaços de catering, gerir prioridades no serviço de refeições, gestão e informação ao público e fotografar e filmar. E o que recebem? Uma uma t-shirt, refeições, um seguro (obrigatório), um certificado de participação e "a possibilidade de se divertirem imenso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.