Turistas que caíram da muralha eram australianos e estariam a tirar selfie

A mulher, de 30 anos, e o homem, de 40, caíram de uma altura de 30 metros da muralha da Praia dos Pescadores para o areal

As duas pessoas que morreram hoje na praia dos Pescadores da Ericeira, Mafra, eram australianas e estariam a tirar fotografias quando caíram da muralha para o areal da praia, disse o capitão do Porto de Cascais.

"Como encontrámos um telemóvel na muralha, ao que tudo indica [as vítimas] poderiam estar a tirar uma 'selfie', quando deixaram o telemóvel cair, debruçaram-se para o agarrar e caíram", disse à agência Lusa o comandante da Capitania de Cascais, Rui Pereira da Terra.

As vítimas são turistas australianos que estariam a passar férias na Ericeira, distrito de Lisboa.

Os corpos foram recolhidos e transportados para o Instituto de Medicina Legal de Torres Vedras, enquanto decorrem diligências junto da Embaixada da Austrália em Lisboa.

A mulher, de 30 anos, e o homem, de 40, caíram de uma altura de 30 metros da muralha da Praia dos Pescadores para o areal.

A mesma fonte adiantou que a Polícia Judiciária foi chamada ao local, mas, depois de várias averiguações, foi afastada a hipótese de crime.

O acidente, referiu, terá ocorrido entre as 1:00 e as 6:00, hora em que foi dado o alerta para as autoridades por um funcionário da Junta de Freguesia que faz a limpeza do areal.

No local, estiveram 10 elementos apoiados por seis viaturas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), bombeiros e Polícia Marítima, de acordo com a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.