Turistas que caíram da muralha eram australianos e estariam a tirar selfie

A mulher, de 30 anos, e o homem, de 40, caíram de uma altura de 30 metros da muralha da Praia dos Pescadores para o areal

As duas pessoas que morreram hoje na praia dos Pescadores da Ericeira, Mafra, eram australianas e estariam a tirar fotografias quando caíram da muralha para o areal da praia, disse o capitão do Porto de Cascais.

"Como encontrámos um telemóvel na muralha, ao que tudo indica [as vítimas] poderiam estar a tirar uma 'selfie', quando deixaram o telemóvel cair, debruçaram-se para o agarrar e caíram", disse à agência Lusa o comandante da Capitania de Cascais, Rui Pereira da Terra.

As vítimas são turistas australianos que estariam a passar férias na Ericeira, distrito de Lisboa.

Os corpos foram recolhidos e transportados para o Instituto de Medicina Legal de Torres Vedras, enquanto decorrem diligências junto da Embaixada da Austrália em Lisboa.

A mulher, de 30 anos, e o homem, de 40, caíram de uma altura de 30 metros da muralha da Praia dos Pescadores para o areal.

A mesma fonte adiantou que a Polícia Judiciária foi chamada ao local, mas, depois de várias averiguações, foi afastada a hipótese de crime.

O acidente, referiu, terá ocorrido entre as 1:00 e as 6:00, hora em que foi dado o alerta para as autoridades por um funcionário da Junta de Freguesia que faz a limpeza do areal.

No local, estiveram 10 elementos apoiados por seis viaturas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), bombeiros e Polícia Marítima, de acordo com a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.