BE quer fim de 'vistos gold' que "servem para lavar dinheiro da corrupção"

Catarina Martins citou a investigação do Expresso e do The Guardian para justificar as suas palavras

A coordenadora do BE, Catarina Martins, insistiu hoje no fim dos 'Vistos Gold', um regime de autorização de residência para investimento que, além de provocar a especulação imobiliária, serve ainda "para lavar dinheiro de esquemas de corrupção".

Numa ação de campanha autárquica com os candidatos do BE às câmaras de Porto e de Vila Nova de Gaia, Catarina Martins elencou aqueles que são os problemas de uma das prioridades do partido nesta corrida eleitoral, a habitação.

"Mecanismos como os 'Vistos Gold', nós sempre dissemos, provocavam a especulação imobiliária e está à vista também servem para lavar dinheiro até de esquemas de corrupção, como sabemos agora pelas notícias", criticou.

Na opinião de Catarina Martins, a investigação conjunta do semanário Expresso e do jornal britânico The Guardian de que vários empresários estrangeiros envolvidos em casos de corrupção, como os brasileiros Otávio Azevedo e Pedro Novis, obtiveram autorização de residência em Portugal vem provar a preocupação que o BE tem há muito sobre este tema.

"O Bloco defende que não devem existir 'Vistos Gold'. Somos muito coerentes com a nossa posição há muito tempo", reiterou.

Os 'Vistos Gold', explicou a líder do BE, "são autorizações de residência que são dadas a cidadãos que são milionários de outros países e que não têm que explicar de onde é que vem o dinheiro".

"Foi criado com o Governo PSD/CDS e é um mecanismo que se mantém e agora vemos que o nosso país está associado a corruptos de processos importantes - nomeadamente em Angola e Brasil - que vieram para o nosso país lavar dinheiro", criticou.

Catarina Martins recordou que agora a Comissão Europeia passou a analisar os processos dos 'Vistos Gold' em Portugal, processos esses que "fizeram subir os preços das casas em centros históricos".

"Um país que se leva a sério deve tratar as questões da habitação de uma forma bastante sensata", pediu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.