Visita de António Costa a Angola continua a ser preparada

Augusto Santos Silva salienta que "a política externa não se confunde com a normal administração da justiça e a administração da justiça não se confunde com a política externa".

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou hoje que o Governo português continua a preparar a visita do primeiro-ministro a Angola, prevista para esta primavera, depois de Luanda ter adiado a deslocação da ministra da Justiça, que deveria começar hoje.

"Os preparativos para a visita do primeiro-ministro, da parte portuguesa, continuam normalmente. Nós apresentámos várias datas possíveis para a visita se realizar e esperamos uma resposta das autoridades angolanas", disse hoje aos jornalistas Augusto Santos Silva, no final de uma audição na comissão parlamentar de Assuntos Europeus.

O ministro realizou, entre 10 e 12 de fevereiro, uma visita a Angola, para reforçar a cooperação bilateral e preparar uma visita de António Costa àquele país, ainda para esta primavera.

Questionado hoje se há alguma reserva do Governo angolano sobre a eventual visita do primeiro-ministro português, Santos Silva respondeu: "Não me parece que haja aqui qualquer reserva, mas veremos".

O chefe da diplomacia português sublinhou depois que a cooperação entre Lisboa e Luanda "chegou a um patamar que pede e justifica a visita num mais alto nível".

"No caso de Angola, dada a natureza executiva das questões em casa, parece que faz sentido haver uma visita do primeiro-ministro português. As autoridades angolanas concordam com esta avaliação e portanto sustentam que a próxima visita seja ao mais alto nível. Aliás, o meu colega dos Negócios Estrangeiros [angolano, Georges Chikoti] já anunciou isso em Portugal no ano passado", disse.

Neste momento, os dois países procuram encontrar "as datas mais convenientes para as duas partes", acrescentou.

Sobre o adiamento, ainda sem nova data, da visita da ministra da Justiça portuguesa, Francisca Van Dunem, o chefe da diplomacia portuguesa referiu que Portugal e Angola procurarão reagendar esta deslocação.

Questionado sobre qual foi a explicação do Governo angolano, Augusto Santos Silva respondeu: "A justificação apresentada foi a necessidade de reponderar nova data".

Interrogado sobre se esta decisão do executivo de Luanda poderá estar ligada à acusação, na semana passada, do vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, pelo Ministério Público português, no âmbito da "Operação Fizz", relacionada com corrupção e branqueamento de capitais, o ministro sublinhou a separação entre poder executivo e judicial.

"Do ponto de vista das autoridades portuguesas, os planos são completamente diferentes", disse.

"Não há nenhuma relação entre os factos, porque para nós a política externa não se confunde com a normal administração da justiça e a administração da justiça não se confunde com a política externa. O Governo só tem competências em matéria de política externa e não tem competências em matéria do exercício do poder judicial", sublinhou.

A confirmação da visita da ministra da Justiça foi feita a 10 de fevereiro, em Luanda, pelo próprio ministro dos Negócios Estrangeiros, numa visita oficial a Angola.

Até ao momento, nenhum elemento da cúpula do Governo angolano em Luanda ou do Movimento Popular de Libertação de Angola(MPLA, no poder) comentou esta acusação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.