Vieira da Silva "tranquilo" quanto à viabilidade do Montepio

O ministro do Trabalho e da Segurança Social afastou o risco de rutura da instituição financeira e sublinhou que esta tem "condições para ter um futuro equilibrado".

Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Segurança Social, afirmou esta sexta-feira, estar tranquilo em relação aos resultados obtidos pelo banco Montepio.

"Estou relativamente tranquilo. Pela informação que eu tenho, julgo que não há nenhum risco de rutura. É uma instituição de natureza diferente [...] e creio que deve ser defendida como um fator de equilíbrio e de enriquecimento do nosso setor financeiro", disse o ministro do Trabalho.

Vieira da Silva, que falou aos jornalistas à margem de um almoço promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, em Lisboa, reiterou que o Montepio "é uma instituição com uma fortíssima presença junto de centenas de milhares de portugueses e que tem condições para ter um futuro equilibrado".

O governante adiantou ainda que tem tido "contactos com a instituição" mas que as informações que dispõe são no sentido de uma estabilização e de uma recuperação dessa instituição", o advogou ministro.

A Associação Mutualista, o topo do Grupo Montepio, é supervisionada pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, enquanto a Caixa Económica Montepio Geral, o chamado banco mutualista, tem supervisão do Banco de Portugal.

Em relação aos resultados obtidos pelo banco, a Caixa Económica Montepio Geral divulgou hoje que obteve prejuízos de 243,4 milhões de euros em 2015, acima dos cerca de 187 milhões de euros de perdas em 2014.

É o terceiro ano consecutivo que a Caixa Económica Montepio Geral regista prejuízos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.