Vieira da Silva assume concordar com entrada da Santa Casa no Montepio

"Sempre dependendo da natureza dos termos e do acordo que venha a existir, em princípio nada teria a opor a uma intervenção desse género", disse o ministro

Vieira da Silva assumiu hoje que concorda com a entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do Montepio, mas que uma decisão desse tipo só acontecerá se a Santa Casa concluir que serve os seus interesses.

"A aplicação de parte dos ativos [da SCML] numa instituição financeira da economia social não me parece que se afaste da missão da Santa Casa", afirmou hoje Vieira da Silva, no Parlamento, referindo que a Santa Casa tem de diversificar parte dos ativos e não aplicar todos em ação social.

"Sempre dependendo da natureza dos termos e do acordo que venha a existir, em princípio nada teria a opor a uma intervenção desse género. Não apenas da SCML como de outras instituições, que também já se mostraram disponíveis", acrescentou o responsável pela pasta do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Para o ministro, um investimento desse género não significa retirar recursos da SCML para as áreas da saúde e Segurança Social, que, referiu, "têm vindo a crescer", mas o que se passa é a aplicação dos excedentes financeiros da SCML "que são relevantes e significativos".

Sobre quem teve a ideia de a SCML entrar no capital do Montepio, Vieira da Silva assumiu-se como autor da ideia, mas adiantou que "houve mais pessoas que simpatizaram com a ideia", de várias áreas, e que se têm manifestado junto de si nesse sentido.

O governante disse também que, neste assunto, tem sido esquecido um tema importante e considerou que "no sistema financeiro português há lugar a mais instituições fortes do setor social".

A audição do ministro, hoje na Comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, foi requerida pelos deputados para o governante explicar o processo de eventual entrada da SCML no banco Montepio, uma vez que tutela a Santa Casa.

Logo no início da audição, Vieira da Silva afirmou que "o Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma" e que o que houve "foi uma sugestão feita e bem aceite".

De momento decorrem os estudos financeiros para avaliar o investimento, acrescentou o governante, referindo que a SCML tem "autonomia de gestão" para decidir estes assuntos e se avançar é porque isso serve os seus "interesses estratégicos".

O governante recusou ainda que tenha sido predefinido um valor de 200 milhões de euros para a SCML investir na Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), em troca de 10% do capital desta.

A semana passada foi ouvido no Parlamento, também sobre o mesmo assunto, o atual provedor da Santa Casa, Edmundo Martinho, que sucedeu a Santana Lopes (que saiu para se candidatar a líder do PSD, eleições que perdeu).

Edmundo Martinho afirmou então que "ainda nada está decidido" sobre a entrada no capital do Montepio e que decorrem estudos de avaliação do banco, mas que esperava ter uma decisão até final do mês.

O provedor disse ainda que a SCML tem um histórico de intervenção no setor financeiro, caso de detenções de capital no BCP no passado, e que a eventual entrada no banco Montepio não seria uma situação nova.

Já questionado sobre a existência de pressões do Governo para a SCML entrar no Montepio, Edmundo Martinho, que foi presidente do Instituto de Segurança Social entre 2005 e 2011, durante Governos PS, afirmou que à direção da SCML foi suscitada a avaliação desse investimento, mas que "não há pressões".

A Caixa Económica Montepio Geral é detida na totalidade pela Associação Mutualista Montepio Geral.

O banco mutualista está num período de mudança dos estatutos e mesmo da sua equipa de gestão, tendo a Associação Mutualista anunciado a entrada de Nuno Mota Pinto para presidente do banco, lugar ainda ocupado por Félix Morgado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.