Web Summit em Lisboa e apoio a 'startups' têm cunho de João Vasconcelos

A vinda da cimeira de tecnologia Web Summit para Lisboa e a aposta no desenvolvimento das 'startups' marcam a passagem do secretário da Indústria, João Vasconcelos, pelo Governo de António Costa.

João Vasconcelos, assim como os secretários de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, e dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, anunciou no domingo que pediu a sua exoneração de funções ao primeiro-ministro e solicitou ao Ministério Público a sua constituição como arguido no inquérito relativo à deslocação para assistir aos jogos de Portugal no Euro2016 a convite de Galp, empresa que tinha litígios com as Finanças.

Para o Governo, o caso ficou encerrado com o reembolso das despesas efetuadas pela Galp e com a aprovação de um Código de Conduta, que impõe um limite de 150 euros para o valor das ofertas que os seus membros podem receber, mas a Procuradoria-Geral da República realizou uma investigação às deslocações.

António Costa aceitou os pedidos, "apesar de não ter sido deduzida pelo Ministério Público qualquer acusação", justificando a sua decisão ao dizer que "não podia negar" o "direito" aos três secretários de Estado de pedirem a exoneração dos seus cargos, numa declaração ao jornal Público.

O secretário de Estado da Indústria está associado à realização da primeira edição da Web Summit em Portugal, em novembro de 2016, evento que regressa novamente a Lisboa este ano, dentro de quatro meses. A conferência global de tecnologia deverá receber este ano mais de 60 mil participantes de 170 países, incluindo mais de 20 mil empresas, sete mil presidentes executivos e dois mil jornalistas.

Na semana passada, João Vasconcelos realçava a importância que a Web Summit tem para o desenvolvimento da Economia portuguesa, ajudando a atrair cada vez mais empreendedores e empresas de todo o mundo.

"A Web Summit é uma montra para o país", afirmou o governante, na altura, durante uma conferência de imprensa no Ministério da Economia.

Na aposta do desenvolvimento de novas empresas tecnológicas inovadoras, o governante anunciou em junho que 'startups' (empresas com elevado potencial de crescimento) de Macau deverão instalar-se este ano em Lisboa, ao mesmo tempo que estava em análise a localização na região chinesa de empresas portuguesas.

Na altura, realçava que Portugal seria o primeiro país da Europa com uma parceria daquele cariz com a China.

João Vasconcelos deu também a cara pelo programa Indústria 4.0 - Economia Digital", um conjunto de 60 medidas, envolvendo 50 mil empresas e que prevê mais de 2.000 milhões de euros de investimento nos próximos anos.

João Vasconcelos, natural de Leiria, foi diretor executivo da Startup Lisboa, Associação para a Inovação e Empreendedorismo de Lisboa, entre 2011 e 2015, e adjunto e assessor do gabinete do primeiro-ministro, com responsabilidade na área dos assuntos regionais e economia, entre 2005 até 2011, no governo de José Sócrates.

Administrou várias empresas familiares no setor do Turismo e foi mentor de programas de aceleração empresarial, nomeadamente o Startup Pirates, Founder Institute, Lisbon Challenge e Seedcamp.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.