Web Summit em Lisboa e apoio a 'startups' têm cunho de João Vasconcelos

A vinda da cimeira de tecnologia Web Summit para Lisboa e a aposta no desenvolvimento das 'startups' marcam a passagem do secretário da Indústria, João Vasconcelos, pelo Governo de António Costa.

João Vasconcelos, assim como os secretários de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, e dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, anunciou no domingo que pediu a sua exoneração de funções ao primeiro-ministro e solicitou ao Ministério Público a sua constituição como arguido no inquérito relativo à deslocação para assistir aos jogos de Portugal no Euro2016 a convite de Galp, empresa que tinha litígios com as Finanças.

Para o Governo, o caso ficou encerrado com o reembolso das despesas efetuadas pela Galp e com a aprovação de um Código de Conduta, que impõe um limite de 150 euros para o valor das ofertas que os seus membros podem receber, mas a Procuradoria-Geral da República realizou uma investigação às deslocações.

António Costa aceitou os pedidos, "apesar de não ter sido deduzida pelo Ministério Público qualquer acusação", justificando a sua decisão ao dizer que "não podia negar" o "direito" aos três secretários de Estado de pedirem a exoneração dos seus cargos, numa declaração ao jornal Público.

O secretário de Estado da Indústria está associado à realização da primeira edição da Web Summit em Portugal, em novembro de 2016, evento que regressa novamente a Lisboa este ano, dentro de quatro meses. A conferência global de tecnologia deverá receber este ano mais de 60 mil participantes de 170 países, incluindo mais de 20 mil empresas, sete mil presidentes executivos e dois mil jornalistas.

Na semana passada, João Vasconcelos realçava a importância que a Web Summit tem para o desenvolvimento da Economia portuguesa, ajudando a atrair cada vez mais empreendedores e empresas de todo o mundo.

"A Web Summit é uma montra para o país", afirmou o governante, na altura, durante uma conferência de imprensa no Ministério da Economia.

Na aposta do desenvolvimento de novas empresas tecnológicas inovadoras, o governante anunciou em junho que 'startups' (empresas com elevado potencial de crescimento) de Macau deverão instalar-se este ano em Lisboa, ao mesmo tempo que estava em análise a localização na região chinesa de empresas portuguesas.

Na altura, realçava que Portugal seria o primeiro país da Europa com uma parceria daquele cariz com a China.

João Vasconcelos deu também a cara pelo programa Indústria 4.0 - Economia Digital", um conjunto de 60 medidas, envolvendo 50 mil empresas e que prevê mais de 2.000 milhões de euros de investimento nos próximos anos.

João Vasconcelos, natural de Leiria, foi diretor executivo da Startup Lisboa, Associação para a Inovação e Empreendedorismo de Lisboa, entre 2011 e 2015, e adjunto e assessor do gabinete do primeiro-ministro, com responsabilidade na área dos assuntos regionais e economia, entre 2005 até 2011, no governo de José Sócrates.

Administrou várias empresas familiares no setor do Turismo e foi mentor de programas de aceleração empresarial, nomeadamente o Startup Pirates, Founder Institute, Lisbon Challenge e Seedcamp.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.