Presidente executivo da Galp constituído arguido

Notícia está a ser avançada pelo Jornal de Negócios

O presidente executivo da Galp foi constituído arguido por alegadas viagens pagas pela petrolífera aos jogos da seleção portuguesa em França no Euro2016, sendo o sétimo arguido constituído no âmbito deste processo, noticia o Jornal de Negócios.

Segundo a edição de hoje deste jornal, além da constituição de Carlos Gomes da Silva como arguido, confirmada pela Procuradoria-geral da República (PGR), também foi constituído arguido o administrador com os pelouros das novas energias e serviços corporativos, Carlos Costa Pina.

A investigação das viagens pagas pela Galp começou há um ano, no início de agosto do ano passado, depois de a revista Sábado ter avançado que o então secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, tinha viajado em 22 de junho a convite da Galp para a cidade francesa de Lyon, para assistir ao jogo Portugal-Hungria.

Em 31 de julho, o presidente executivo da Galp, Carlos Gomes da Silva, defendeu que "é do interesse de todos o esclarecimento" sobre as viagens pagas pela petrolífera para jogos do Euro2016, reafirmando que a empresa "cumpriu a lei".

"Aguardamos serenamente o desenvolvimento da investigação. Como sempre, estamos disponíveis [...]. É do interesse de todos que o esclarecimento seja feito", afirmou Carlos Gomes da Silva na altura, adiantando que a Galp não tinha sido constituída arguida no processo.

Em 10 de julho, a Galp tinha referido que a oferta de viagens a governantes é "prática tradicional": "As formas de ativação do patrocínio usadas, incluindo os convites para integrar a comitiva de apoio nos jogos, são práticas tradicionais seguidas por diversas empresas e não tiveram outro objetivo que não fosse o apoio à Seleção Nacional".

A petrolífera explicou então que o pagamento de viagens, refeições e bilhetes para os jogos da seleção nacional "foi realizado em conformidade com a lei" e que a deslocação de "pessoas relacionadas com parceiros de negócio, com entidades institucionais e com dezenas de clientes, corporativos e individuais", decorreu "sem qualquer segredo ou tratamento diferenciado, e sem que tal pretendesse constituir a atribuição de uma qualquer vantagem patrimonial e muito menos da qual se esperasse a obtenção de qualquer contrapartida".

Neste processo, o Ministério Público já tinha constituído como arguidos os secretários de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, e da Indústria, João Vasconcelos, que se demitiram do Governo em 09 de julho.

Em investigação está a prática do crime de "recebimento indevido de vantagem" por aqueles titulares de cargo político ou de alto cargo público, no exercício das suas funções, e que a Lei dos Crimes de Responsabilidade de Titulares de Cargos Políticos pune com prisão de um a cinco anos.

Esta lei especifica que se, em troca daquelas viagens, tiver sido dado ou prometido a titular de cargo político ou alto cargo público, ou a terceiro por indicação ou conhecimento deste, vantagem patrimonial ou não patrimonial que não lhe seja devida, no exercício das suas funções ou por causa delas, o crime é punido com pena de prisão até cinco anos ou com pena de multa até 600 dias.

Mas a mesma lei exclui desta responsabilidade as "condutas socialmente adequadas e conformes aos usos e costumes", sendo este o motivo porque a Galp insiste que o pagamento destas viagens são uma "prática tradicional".

Na semana anterior, no âmbito da mesma investigação, já tinham sido constituídos arguidos dois chefes de gabinete.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.