BE defende que Costa deve dizer rapidamente o que pretende fazer

Catarina Martins referia-se ao pedido de exoneração de funções, já aceite por António Costa, dos secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse hoje no Porto que "o país aguarda que o primeiro-ministro diga de forma rápida como será o Governo a partir de agora e o que pretende fazer".

Catarina Martins referia-se ao pedido de exoneração de funções, já aceite por António Costa, dos secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria, que solicitaram também ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro2016.

"Os secretários de Estado fizeram o que tinham de fazer. Agora, o país aguarda que o primeiro-ministro anuncie qual é a solução do Governo, se vamos ter uma remodelação, como é que vai ser este equilíbrio", afirmou Catarina Martins, que falava aos jornalistas no final de uma visita às antigas instalações do Colégio Almeida Garrett, propriedade da Universidade do Porto.

A dirigente do BE defendeu que "o país precisa de uma resposta mais cedo e não mais tarde, porque se compreende a sensibilidade desta alteração neste momento".

Em relação ao caso concreto, lembrou que o BE já falou há um ano e que, na altura, disse que considerava "eticamente reprovável qualquer confusão entre o exercício de uma função pública e o que são negócios privados".

"Achamos verdadeiramente lamentável o que sucedeu, não vou falar sobre os casos que estão na justiça, isso é um problema da justiça, digo apenas que se a justiça deve fazer o seu caminho, a política também pode e deve fazer melhor", sublinhou.

A este propósito, lembrou que "no Parlamento está um pacote legislativo para a transparência, o BE foi o primeiro preponente dessas alterações para uma entidade para a transparência. Vamos acabar a sessão legislativa sem que os outros partidos, ou a maioria, perceba a necessidade de avançar com este pacote da transparência".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.