Verdes recomendam ao Governo a nacionalização dos CTT

Partido apresentou um projeto de resolução no parlamento

O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) apresentou um projeto de resolução no parlamento a recomendar ao Governo a nacionalização dos CTT - Correios de Portugal, invertendo a privatização decidida pelo PSD e CDS, em 2013.

Os CTT, "enquanto empresa pública, eram rentáveis e davam lucro, gerando receita para o Estado, ao mesmo tempo que prestavam um serviço público inestimável", alerta o PEV o texto da resolução, que é uma simples recomendação ao executivo e não um projeto de lei.

Na resolução, entregue na sexta-feira e anunciada hoje, os Verdes alegam que, "quatro anos depois da privatização", há uma "constante degradação do serviço prestado aos cidadãos", a par do aumento das tarifas em 50%.

Para o PEV, a defesa deste "serviço estratégico e os interesses e necessidades dos cidadãos", "só é objetivamente possível quando os CTT voltarem a integrar a esfera do Estado".

A reversão da empresa para o Estado tem sido defendida pelo PCP, Bloco de Esquerda e Partido Ecologista "Os Verdes", que agora apresentou um projeto de recomendação.

Em dezembro, num debate no parlamento, o PS não alinhou com a restante esquerda, defendendo, em alternativa, uma avaliação ponderada da situação dos Correios de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".