Vento forte causou estragos junto a escola de Aradas em Aveiro

"Foi um fenómeno da natureza com fortes ventos, que provocaram alguns danos localizados na área junto à EB 2,3 de Aradas", disse o comandante dos Bombeiros Velhos.

O forte vento que se fez sentir esta quarta-feira de manhã na zona de Aveiro destruiu a cobertura metálica de um anexo agrícola em Aradas e derrubou algumas árvores, provocando apenas danos materiais, informou a corporação local de bombeiros.

"Foi um fenómeno da natureza com fortes ventos, que provocaram alguns danos localizados na área junto à EB 2,3 de Aradas", disse o comandante dos Bombeiros Velhos.

Em declarações à Lusa, Carlos Pires disse que o alerta foi dado cerca das 10:40 e os trabalhos para a remoção dos destroços só ficaram concluídos cerca das 15:00.

O comandante referiu que o vento arrancou uma cobertura metálica de "grandes dimensões" e alguns tijolos, que caíram em cima de quatro viaturas que estavam estacionadas no local, e derrubou algumas árvores de um eucaliptal.

Segundo o mesmo responsável, também se verificaram estragos no perímetro interno da escola, nomeadamente numa das tabelas de basquete que "foi completamente vergada" pelo vento e houve ainda uma árvore de grande porte que foi derrubada.

Os trabalhos para a remoção dos destroços foram demorados porque os bombeiros tiveram de recorrer a uma grua para remover a cobertura, que tinha cerca de 15 metros de comprimento e sete de largura, e foi necessário fazer o corte das arvores derrubadas.

Foram mobilizados para o local 13 operacionais e cinco viaturas dos Bombeiros Velhos e Novos de Aveiro, cinco elementos da Proteção Civil com três veículos e o piquete da EDP, além da PSP.

No local esteve também o diretor do agrupamento de escolas, o presidente da Junta de Aradas e o vereador da proteção civil da câmara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.