Sanções podem ajudar meio milhão de portugueses

A União Europeia aprovou esta segunda-feira sanções contra sete personalidades venezuelanas, incluindo o ministro do Interior, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o procurador-geral

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse hoje esperar que as medidas adotadas pela União Europeia (UE) contra sete dirigentes venezuelanos permitam desbloquear uma situação que prejudica o meio milhão de portugueses ou lusodescentes residentes no país.

"A situação atual de bloqueio prejudica" o meio milhão de portugueses e lusodescendentes que vivem na Venezuela, disse Augusto Santos Silva, numa conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da UE.

O ministro exemplificou com "o sistema de intervenção nos preços" imposto pelo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que decretou a redução de preços de produtos em 76 supermercados, incluindo algumas cadeias exploradas por portugueses.

O MNE destacou que as sanções adotadas pela UE não prejudicam a sociedade nem a economia do país, dado que se dirigem a altos quadros políticos, "todos considerados pela UE como responsáveis máximos e diretos por violações dos direitos humanos na Venezuela".

"Estas medidas são contidas, reversíveis, não constituem sanções económicas que poderiam penalizar a população", considerando a UE que podem incentivar o diálogo entre Caracas e a oposição.

Em novembro, a UE proibiu a venda de armas e material que possa ser usado como tal à Venezuela e hoje adotou novas sanções, por considerar que as negociações -- nomeadamente para se chegar a um calendário para eleições presidenciais -- não estão a resultar.

A UE aprovou hoje sanções contra sete personalidades venezuelanas, incluindo o ministro do Interior, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e o procurador-geral.

Das sete pessoas, destacam-se o ministro do Interior e Justiça, Néstor Luis Reverol Torres, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça venezuelano Maikel José Moreno Pérez e ainda o procurador-geral, Tarek William Saab Halabi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.