Vale e Azevedo penhorado por não pagar 83 mil euros à Caixa

Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está a executar todos os profissionais que não pagam as contribuições para uma futura reforma. Ex-presidente do Benfica recebeu a notificação a 12 de Julho

O ex-presidente do Benfica, e também advogado, Vale e Azevedo, foi executado pela Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) por não ter pago nos últimos anos as contribuições mensais no valor de 83 mil euros.

O DN sabe que o advogado já recebeu a notificação do agente de execução a 12 de Julho que corre no juízo de execução de Sintra. O DN tentou contactar o advogado e ex-líder do Benfica, mas sem sucesso.

Há já vários advogados que estão a ser penhorados desde abril pela própria instituição. A maioria dessas ações executivas deu entrada nos tribunais de Lisboa e Porto, e devem-se à falta de pagamento das contribuições, já num total de 130 milhões de euros.

Valor esse que tem aumentado de ano para ano.

Os casos mais graves chegam a atingir os 229 mil euros de contribuições em atraso. Outro dos casos mediáticos é de João Araújo, que tem a ser cargo a defesa de José Sócrates na Operação Marquês. No total, o advogado deve 94 mil euros de contribuições.

Esta medida, que tinha vindo a ser adiada pela anterior direção das CPAS - que apenas em 2015 resolveu dar início a uma cobrança coerciva de dívida através de 189 processos que contabilizavam valores em atraso de quase cinco milhões de euros - surgiu da iniciativa da nova direção, liderada por António Costeira Faustino, que tomou posse em Janeiro deste ano.

Na prática, estas ações executivas - que podem correr nos tribunais cíveis - podem ser intentadas pela própria CPAS, bastando para isso um documento que comprove essas dívida. A partir daí, o advogado executado pode opor-se a essa ação (dizendo ou que a dívida prescreveu ou que entretanto a pagou ou que simplesmente não tem condições financeiras para o fazer). Ainda assim, pode ocorrer uma penhora imediata dos bens dos advogados executados ou mesmo dos seus saldos bancários. Mais: pode ainda ficar em causa a atribuição da pensão de reforma na altura que o advogado a solicite.


As dívidas à CPAS começaram por se agudizar em 2012 (em que o valor já estava perto dos 107 milhões), aumentando para 125 milhões em 2014

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."