Vale e Azevedo pede libertação imediata

O antigo presidente do Sport Lisboa e Benfica requereu a libertação imediata ao Supremo Tribunal de Justiça através de um pedido de habeas corpus.

O antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo requereu a libertação por considerar que está preso ilegalmente no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

A advogada Luísa Cruz sustenta este pedido de "habeas corpus" no facto de ter expirado o prazo fixado entre as autoridades portuguesas e britânicas, para cumprir o mandado de detenção europeu emitido no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria. E avança que desde o dia 7 de julho que "esta libertação deveria ter sido feita", já que os 2/3 da pena já foram cumpridos, explicou ao DN:

A extradição de Vale e Azevedo para Portugal ocorreu a 12 de novembro de 2012, "para que fosse apreciada a liberdade condicional em menos de uma semana, como constava no acordo", porém tal não aconteceu.

A 27 de maio deste ano, o Tribunal de Westminster, em Londres, indeferiu o pedido de alargamento da extradição de Vale e Azevedo interposto pelas autoridades portuguesas, para que o

ex- presidente do Benfica - de outubro de 1997 a novembro de novembro de 2000 - pudesse ser julgado ou fosse submetido a qualquer restrição da liberdade relativamente a outros processos

pendentes.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.