Vale e Azevedo pede fim do julgamento de peculato

O antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo pediu hoje ao tribunal que acabe o seu julgamento por alegada apropriação de quatro milhões de euros do clube, verba resultante de transferência de jogadores.

Vale e Azevedo sublinha que deve "ser dado sem efeito" o número de sessões já marcadas e pede que se proceda "ao arquivamento dos autos", invocando que "não pode ser sujeito a procedimento penal por infração praticada em momento anterior" à sua extradição para Portugal, a 12 de novembro.

O requerimento em que Vale e Azevedo pede que "cessem as sessões" da 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa foi entregue hoje, pela advogada Luísa Cruz, ao coletivo de juízes presidido por José Manuel Barata, antes da quinta sessão do julgamento.

Antes de decidir se aceita o requerimento do presidente do Benfica de 1997 a 2000, o coletivo de juízes concedeu o prazo de 10 dias para o advogado do clube José Manuel Marchueta analisar o documento e pronunciar-se.

Neste processo, Vale e Azevedo é acusado de peculato, branqueamento de capitais e falsificação de documento nas transferências dos futebolistas britânicos Scott Minto e Gary Charles, do brasileiro Amaral e do marroquino Tahar El Khalej.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.