Vale e Azevedo pede fim do julgamento de peculato

O antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo pediu hoje ao tribunal que acabe o seu julgamento por alegada apropriação de quatro milhões de euros do clube, verba resultante de transferência de jogadores.

Vale e Azevedo sublinha que deve "ser dado sem efeito" o número de sessões já marcadas e pede que se proceda "ao arquivamento dos autos", invocando que "não pode ser sujeito a procedimento penal por infração praticada em momento anterior" à sua extradição para Portugal, a 12 de novembro.

O requerimento em que Vale e Azevedo pede que "cessem as sessões" da 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa foi entregue hoje, pela advogada Luísa Cruz, ao coletivo de juízes presidido por José Manuel Barata, antes da quinta sessão do julgamento.

Antes de decidir se aceita o requerimento do presidente do Benfica de 1997 a 2000, o coletivo de juízes concedeu o prazo de 10 dias para o advogado do clube José Manuel Marchueta analisar o documento e pronunciar-se.

Neste processo, Vale e Azevedo é acusado de peculato, branqueamento de capitais e falsificação de documento nas transferências dos futebolistas britânicos Scott Minto e Gary Charles, do brasileiro Amaral e do marroquino Tahar El Khalej.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.