Vale e Azevedo admite recorrer para Tribunal Europeu

João Vale e Azevedo admite recorrer para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, caso a Justiça portuguesa continue a adiar a decisão de liberdade condicional pedida pelo antigo presidente do Benfica.

A advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, disse hoje que "os advogados ingleses que representaram" o arguido no processo de extradição de Londres para Portugal "aguardam resposta das autoridades judiciais portuguesas nos próximos dias antes de avançarem".

A Kaim Todner Solicitors, que enviou carta para o Conselho Superior de Magistratura e para as 3.ª e 4.ª varas criminais de Lisboa a alertar para a necessidade de decisão rápida da liberdade condicional, enviará queixa para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos com o fundamento de violação dos direitos de Vale e Azevedo.

A sociedade de advogados britânica sustenta que existe "incumprimento da decisão do High Court of Justice", em Londres, datada de 12 de outubro de 2012, que estabeleceu a extradição do presidente do Benfica de 1997 a 2000 para Portugal.

Este argumento foi o mesmo que Luísa Cruz apresentou hoje à 3.ª Secção do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento público do terceiro pedido de libertação imediata de Vale e Azevedo, à qual se opôs o Ministério Público.

Na sessão presidida pelo conselheiro Souto Moura, antigo procurador-geral da República, a advogada defendeu que "o que está em causa" no pedido de "habeas corpus" é "um acordo de extradição e nas condições em que é baseado, que refere que a liberdade condicional de Vale e Azevedo deve ser decidida em dias e não semanas".

A mandatária de Vale e Azevedo, extraditado para Portugal a 12 de novembro do ano passado, lembrou que o seu cliente já se encontra preso há "quase dois meses", no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

Na tarde de hoje, o STJ comunica a decisão sobre o pedido de libertação imediata de Vale e Azevedo.

O primeiro pedido de "habeas corpus" nem sequer foi distribuído por decisão do vice-presidente do STJ, enquanto outro, o primeiro a ser analisado, foi rejeitado.

A 5.ª Secção do tribunal superior também não deu provimento a um segundo pedido de libertação imediata de Vale e Azevedo.

Em novembro, Vale e Azevedo apresentou no Tribunal de Execução de Penas de Lisboa um pedido de liberdade condicional, alegando ter cumprido o tempo de prisão do cúmulo jurídico de cinco anos e meio.

O cúmulo jurídico de Vale e Azevedo tinha sido estabelecido em 11 anos e meio de prisão, pela 4.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, em 2009, no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea (seis anos de prisão em cúmulo), Dantas da Cunha (sete anos e seis meses) e Ribafria (cinco anos).

Com o recurso para o STJ, os juízes conselheiros descontaram, à pena de 11 anos e meio, o período de seis anos de prisão efetiva que Vale e Azevedo cumpriu depois de condenado nos processos Ovchinnikov e Euroárea, fixando o total em cinco anos e meio.

Durante quatro anos e meio, Vale e Azevedo esteve sujeito à obrigação de permanecer na residência na capital inglesa, com passaporte confiscado e proibido de sair do Reino Unido.

O antigo presidente do Benfica encontra-se detido na prisão da Carregueira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.