Utentes do metro enfrentaram vinte greves em dois anos

Toda a rede está fechada até amanhã. Este ano, será a oitava vez que os trabalhadores param contra a concessão da empresa

O aviso foi transmitido insistentemente desde sexta-feira nas estações do metro de Lisboa: a partir das 23.15 de ontem e durante todo o dia de hoje, a rede vai estar encerrada devido a greve dos trabalhadores da transportadora.

É a 20.ª paralisação em dois anos, novamente "em defesa da empresa pública, ao serviço dos utentes e com a salvaguarda dos direitos dos trabalhadores", segundo explica, em comunicado publicado no seu site, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

Em causa está sobretudo a intenção, que deverá avançar no próximo ano, de o governo concessionar o serviço a uma entidade pública ou privada

Leia mais no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.