Unidades de cuidados continuados podem ser congeladas

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) admitiu hoje congelar as unidades de cuidados continuados em construção, mas afirmou que as que estão prontas têm de abrir, sob pena de não conseguirem pagar salários e dividas à banca.

"Neste momento estão 5500 camas a funcionar, estão prontas 5800 e estão contratadas mais cerca de três mil", disse Manuel Lemos na comissão parlamentar de saúde. Para o presidente da União das Misericórdias Portuguesas, o problema mais premente é recuperar os pagamentos do Ministério da Saúde em atraso para poder manter em funcionamento as 5.500 camas. O total dos pagamentos em atraso por parte do Ministério de Paulo Macedo é de 12,5 milhões de euros.

Manuel Lemos adiantou que estão prontas para abrir seis unidades de cuidados continuados, o que corresponde a 300 das 5.800 camas, que obrigatoriamente têm de abrir porque as misericórdias contraíram empréstimos e contrataram pessoal a quem têm de pagar salários. "Há um conjunto de outras unidades em obras que totalizam mais três mil camas e que estamos a negociar com o Ministério da Saúde em atrasar a sua conclusão para que os custos possam ser suportados pela tutela", disse Manuel Lemos, acrescentado que este atraso será negociado unidade a unidade.

O presidente da UMP afirmou, na comissão de saúde, que o custo global da rede de cuidados continuados das misericórdias é de perto de 43 milhões de euros. Esta rede representa cerca de metade do total da rede de cuidados continuados do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.