UNESCO atribui Cátedra Diálogo Intercultural em Patrimónios a Coimbra

Projeto envolve meia centena de docentes e investigadores, numa parceria com várias instituições europeias

A Universidade de Coimbra (UC) obteve a Cátedra UNESCO 'Diálogo Intercultural em Patrimónios de Influência Portuguesa', anunciou hoje este estabelecimento de ensino.

A nova Cátedra UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) terá como "principais eixos de ação a investigação, formação avançada e cooperação para o desenvolvimento no âmbito dos designados patrimónios vivos -- a paisagem e a língua --, com o objetivo de contribuir para a construção de alternativas integradas às agendas hegemónicas da globalização", afirma a UC numa nota enviada hoje à agência Lusa.

A atribuição da cátedra resulta de "uma exigente e rigorosa avaliação por peritos internacionais, após candidatura apresentada pela UC", sublinha.

Para o titular da cátedra, Walter Rossa, docente do Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e investigador do Centro de Estudos Sociais da UC, a candidatura "surgiu como sequência natural do trabalho já desenvolvido no âmbito do doutoramento Patrimónios de Influência Portuguesa e da iniciativa Alta Sophia [que culminou na classificação desta área como Património Mundial] e alinha na estratégia global de internacionalização da Universidade de Coimbra".

"Este 'selo de qualidade' expressa o reconhecimento do trabalho desenvolvido pela UC, Património Mundial da UNESCO, e é uma prova de confiança no trabalho que nos propusemos desenvolver no sentido de afirmar o património e a cultura como ativos essenciais para o desenvolvimento sustentável, na linha dos objetivos da Agenda 2030 das Nações Unidas", afirma o docente e investigador, citado pela UC.

O grande objetivo, sublinha ainda Walter Rossa, é "criar sinergias através do diálogo intercultural subjacente ao conceito de influência portuguesa. Essa influência, por exemplo, por meio da língua comum, mantém cerca de 4% da população mundial potencialmente conectada".

A Cátedra UNESCO Diálogo Intercultural em Patrimónios de Influência Portuguesa envolve, à partida, meia centena de docentes e investigadores numa parceria com várias instituições europeias, brasileiras e africanas, designadamente a Universidade do Algarve, a Università degli Studi di Bologna (Itália), a Universidade Federal Fluminense (Brasil), as universidades Eduardo Mondlane e Lúrio (Moçambique), a Université Paris Nanterre (França) e M EIA - Mindelo Escola Internacional de Arte (Cabo Verde), bem como o Instituto Camões e a Fundação Calouste Gulbenkian, conclui a UC.

O Programa de Cátedras UNESCO UNITWIN foi criado, em 1992, com o objetivo de promover a cooperação e interligação entre universidades, a nível internacional, para reforçar as capacidades institucionais através da partilha de conhecimento e do trabalho colaborativo.

A Rede Cultura, Turismo e Desenvolvimento UNITWIN reúne mais de 700 instituições de 116 países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.