"Uma exposição que renovava a curiosidade"

Silvana Alexandre, governanta geral num hotel de cinco estrelas, Carcavelos

Verão de 1998. Como seria de esperar toda a gente tinha uma enorme expectativa para aquela que seria a maior exposição realizada em Portugal.

Foram construídos vários pavilhões dos quais muitos fazem parte dos eventos da actualidade, integrados no espaço que hoje é o Parque das Nações. Destaque para o Oceanário que era considerado o maior aquário da Europa. O Pavilhão Atlântico, que hoje se chama Altice Arena são obras que devemos a essa exposição. A par da requalificação do espaço crescia a ponte Vasco da Gama mesmo ali ao lado, outra obra que na data era considerada a maior ponte da Europa.

Este encontro maravilhoso de culturas num espaço outrora degradado que foi requalificado para o evento e que transformou o que é hoje uma das zonas privilegiadas e nobres de Lisboa. Foi um encontro de famílias, de culturas que durante o tempo da exposição se juntavam para fazer a visita aproveitando o convívio. Parecia que estávamos fora de Portugal. Comigo também não foi diferente.

Guardo muito boas recordações da exposição, visitei o espaço três vezes, sempre com a mesma curiosidade como se fosse o primeiro dia. Nem o calor sentido em certos dias em horas de espera na fila e grávida de alguns meses me decepcionaram para entrar por exemplo no Pavilhão do Futuro, no Oceanário, no Aqua Matrix, no Pavilhão de Portugal entre outros representados por outros países que também honraram o seu nome para estarem representados naquela que seria a maior exposição em Portugal até à data. Sem dúvida e com orgulho Portugal mostrou ao mundo mais uma vez os feitos dos portugueses que pareciam esquecidos desde o tempo dos Descobrimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.