"Uma enorme perda para Portugal"

O líder da delegação socialista ao Parlamento Europeu, , lamentou hoje a morte do presidente honorário do PS, António Almeida Santos, classificando-a como "uma enorme perda" para Portugal, mas realçou que "a sua memória perdurará por muito tempo".

"Com a morte de António Almeida Santos, Portugal perde um grande cidadão, perde um grande político e um grande socialista", afirmou, numa declaração à Lusa desde Estrasburgo, à margem da sessão plenária da assembleia europeia.

Zorrinho notou que Almeida Santos foi "um homem que foi muito importante na sociedade portuguesa, quer antes, quer depois do 25 de abril, e em funções muito diversas", e era "uma personalidade que tinha uma visão do mundo".

"Os seus livros mostram bem como se preocupava com o desenvolvimento integral do planeta, com as questões ambientais, muito antes de elas estarem na primeira linha das preocupações, com as desigualdades sociais", comentou.

"Pessoalmente, António Almeida Santosera também para mim, e é, um enorme amigo. É, de facto, uma enorme perda para o nosso país, e a sua memória perdurará por muito tempo", concluiu.

O ex-presidente da Assembleia da República e do PS morreu na segunda-feira em sua casa, em Oeiras, com 89 anos, pouco antes da meia-noite, depois de se ter sentido mal após o jantar, disse fonte da família à agência Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.