Uma biografia em que Marcelo recusou colaborar

Investigação conduzida por Joaquim Vieira detalha todos os aspetos do fundador do PSD e empresário que revolucionou o jornalismo em Portugal. Sem ignorar o lado pessoal.

Numa altura em que o grupo Impresa vive em assumidas dificuldades, com anúncios de intenção de venda de todo o setor da imprensa escrita (exceto o Expresso), chega às livrarias, no dia 30, aquele que é o mais profundo trabalho de investigação alguma vez feito sobre a vida do líder e dono do grupo, Francisco Pinto Balsemão.

Da autoria de Joaquim Vieira - jornalista, ensaísta e documentarista nascido em 1951 que durante quase 15 anos fez parte, como jornalista do Expresso, da folha de pagamento de Balsemão -, a biografia, feita sem a colaboração do biografado, estende-se por cerca de 600 páginas. Toca, em detalhe, todos os aspetos da vida de uma personalidade incontornável, no jornalismo e na política, naquilo que foi a fase final da ditadura derrotada em 1974 e no que seria depois a construção da democracia.

Nascido em setembro de 1937 em Lisboa, filho único de uma família da alta burguesia, educado em casa (num palacete da Lapa) durante o ensino primário, começou a revolucionar o jornalismo português nos anos 60 ao tomar conta do Diário Popular (uma herança de família) - dividiu, por exemplo, a redação em secções, porque até lá "era tudo ao molho". Continuou a fazê-lo a partir de 1973 quando criou o Expresso e prosseguiu em 1992, fundando a SIC, o primeiro canal privado de televisão que conseguiu destronar a RTP do topo das audiências.

Politicamente, foi escolha pessoal e direta do então Presidente do Conselho, Marcelo Caetano, para integrar em 1969 a chamada Ala Liberal, o grupo de jovens com que o sucessor de Salazar pretendia, supostamente, refrescar o regime. Foi neste grupo, aliás, que conheceu muitos daqueles com quem depois fundaria em 1974 o PPD (hoje PPD-PSD), sob a liderança de Francisco Sá Carneiro - o advogado do Porto de quem Balsemão herdaria o cargo político mais importante que ocupou na sua vida (primeiro-ministro, de janeiro de 1981 a junho de 1983).

Capa da biografia escrita por Joaquim Vieira. Estará à venda dia 30 nas livrarias

O livro detalha todos os estes aspetos da vida do empresário mas entra também - e em profundidade - pela sua vida pessoal. Conta, por exemplo, com vários pormenores - por via do acesso ao processo judicial - algo que toda a gente sabe há anos nos mentideros da política e da alta sociedade lisboeta mas que o grande público porventura desconhece: que Balsemão teve em outubro de 1970 um filho ilegítimo de uma relação extraconjugal com uma "menina bem" do regime, Isabel Supico Pinto, e que foram precisos mais de sete anos em andanças judiciais, iniciadas antes do 25 de Abril mas encerradas só depois (1977), interpostas pela mãe, para ser obrigado a reconhecer-lhe a paternidade. Conta também que, no início da gravidez, Balsemão até pagou a Isabel para esta fazer um aborto na Suíça, algo que só não aconteceu porque o prazo legal fora ultrapassado. Ouvido pelo DN, Joaquim Vieira afirma que foi este o aspeto da vida do biografado que mais o surpreendeu. Até porque, anos depois, em 1983, seria com Balsemão à frente que a AD (Aliança Democrática, coligação PSD+CDS+PPM) chumbaria uma proposta do PCP para despenalizar o aborto. Balsemão só conheceria bem o filho já este era adolescente. Hoje Francisco Maria está completamente integrado na família.

"Lelé da cuca"

O livro contou com várias fontes - muitas delas anónimas - e uma importantíssima recusa: Marcelo Rebelo de Sousa. Em 1978, Balsemão dirigia o Expresso e Marcelo era o seu subdiretor. Foi nesta qualidade que, por aposta com uma namorada, Marcelo inseriu no jornal uma frase infame: "O Balsemão é lelé da cuca." A relação nunca mais seria a mesma - mas não houve rutura absoluta, porque, como explica alguém, Francisco Pinto Balsemão nunca foi homem de "virar mesas". Marcelo chegaria a diretor do semanário em 1980. Pode ser que apareça no lançamento da obra.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.