Um "dia que valeu por dez": Marcelo quer voltar para "colher resultados"

Tolerância e direitos humanos deram o mote para as conversas com o presidente egípcio. E claro, não faltaram muitas selfies

De branco vestidas, as Irmãs Combonianas esperavam pacientemente pela selfie com o Presidente da República, quando Marcelo as envolveu num abraço. "Nem lhe pergunto há quanto tempo está cá porque é há mais de 30 anos", disse a uma delas, já grisalha. "É mais!", respondeu-lhe a freira, que logo ouviu um "Mais não... porque é muito novinha". Tirada a selfie, Marcelo Rebelo de Sousa deixou um pedido: "Rezem por mim de vez em quando que isto dá muito trabalho. Ser presidente dá muito trabalho".

O dia, passado no Cairo, até lhe deu razão: o Presidente arrancou a jornada com um encontro com o homólogo egípcio, passou, de raspão, pelo Parlamento e pelo primeiro-ministro, correu para chegar a tempo de encerrar o Fórum Económico com empresários portugueses e egípcios e fechou o dia a cantar o hino junto da comunidade portuguesa, pelo meio de um "efe-erre-á" entoado pelos estudantes egípcios e muitas selfies.

Entusiasmado com o "momento histórico" da relação entre Portugal e o Egito, Marcelo Rebelo de Sousa, por duas vezes, falou em regressar "daqui a um par de anos", para conhecer os resultados que quis semear com estes três dias de visita de Estado.

O Presidente português fez um apelo aos empresários portugueses e egípcios para que "não percam a oportunidade" de "investir já" em ambos os países e prometeu voltar ao Egito dentro de dois anos para ver os resultados.

"Um empate equivale a uma derrota", avisou o Presidente, apelando aos cerca de duzentos empresários para que aproveitem "um novo ciclo", em que o Egito pode provar que "afinal é pacífico e tem condições institucionais" para atrair investimentos e Portugal "se saiu muito bem, muito bem" do programa de intervenção externa. "Seria um grande erro falhar esta oportunidade", alertou Marcelo que, mais uma vez, se assumiu como "um otimista realista", com "os pés no chão".

Frente a uma plateia de empresários dos dois países, o Presidente da República foi apresentado como "o Professor Marcelo", assim em português, e depois em inglês a referência ao "comentador que se dirigia às massas, todos os domingos", "político workaolic que dorme quatro horas e devora dois livros por noite" e a quem o Egito, na impossibilidade de satisfazer "o apreciador de surf e de praia", convida o "amante de ópera" a voltar para assistir à Aida de Verdi, encenada à sombra das pirâmides.

"Não vamos mudar a embaixada"

Na Universidade de al-Azhar, a pergunta nem sequer foi direta e pretendia apenas conhecer a posição do Presidente português perante a decisão dos Estados Unidos de transferir a embaixada para Jerusalém, mas Marcelo Rebelo de Sousa quis ser claro: "Tem que ser aceite um Estado Palestiniano com capital em Jerusalém. Tudo o que unilateralmente crie problemas é algo que Portugal não fará. Não mudaremos a nossa embaixada para Jerusalém", garantiu, pelo meio de um forte aplauso da plateia de estudantes, professores e políticos.

Antes ainda, a sala tinha aplaudido também quando Marcelo defendeu que "o Islão faz parte do espírito europeu", discordando de "algumas lideranças europeias". Em tom crítico e depois de questionado sobre o crescimento do autoproclamado Estado Islâmico, o Chefe de Estado português assumiu que "quem teve a culpa fomos nós"."Quando culpam o Estado Islâmico, comecem por culpar-se a si próprios porque criaram condições para o Estado Islâmico existir". Na leitura de Marcelo, "quando a sociedade não responde às necessidades das pessoas, na política não há vazios, alguém o preenche".

O apelo à tolerância, ao combate pelos direitos humanos e para a capacidade que "cada cidadão tem de ser político", foi mais expressivo no debate na Universidade de al-Azhar mas já tinha sido vincado, ao almoço, ao lado do presidente egípcio, quando Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que cabe aos líderes valorizarem "os direitos das mulheres", "a liberdade religiosa", o "diálogo entre igrejas e religiões e diferentes ideologias e doutrinas".

O Presidente falou, de improviso e em inglês, como fez em todos os eventos, excluindo o encontro com a comunidade portuguesa, mas al-Sisi tinha um discurso escrito onde defendeu o reforço das relações comerciais e da troca de investimentos entre os dois países.

Com pompa e circunstância foram assinados dois acordos entre Portugal e o Egito: um memorando de cooperação entre a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) Global Parques e Porto de Sines com a Zona Económica do Canal do Suez e um acordo entre o Instituto Camões, a Universidade do Porto e a Universidade de Ain Shams, do Egito, para reforçar o ensino do Português, no Egito. Esta sexta-feira acontece o momento mais fotográfico da visita: a comitiva visita as pirâmides de Gizé (Keops).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.