UGT espera a mesma vontade do Governo para trabalhadores não docentes como para os da saúde

O secretário-geral da UGT espera que se consiga solucionar alguns dos problemas dos trabalhadores não docentes e de todos os outros da administração pública

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, disse esperar que haja trabalhadores não docentes que hoje estão em greve com o mesmo tratamento e vontade negocial que o Governo demonstrou com os trabalhadores da saúde.

Carlos Silva referia-se à notícia de que os sindicatos dos trabalhadores da saúde (que estiveram em greve durante dois dias) receberam na quinta-feira uma nova proposta do Ministério da Saúde que pode levar a um acordo entre as partes na negociação do Acordo Coletivo de Trabalho.

O secretário-geral da UGT falava à entrada da Escola Básica e Secundária Passos Manuel, em Lisboa, e que está fechada devido à greve dos trabalhadores não docentes para exigir a integração dos vínculos precários, uma carreira específica e meios suficientes para assegurar o bom funcionamento das escolas.

Carlos Silva disse também esperar que seja agora, com um Governo, com uma maioria parlamentar de esquerda, que se consiga solucionar alguns dos problemas dos trabalhadores não docentes e de todos os outros da administração pública.

"Se não for agora quando será?", desafiou.

A greve foi convocada por estruturas sindicais afetas às duas centrais sindicais, CGTP e UGT, no dia em que o calendário escolar tem marcada uma prova de aferição de Educação Física para os alunos do 2.º ano de escolaridade.

O secretário-geral da Federação Nacional de Educação (FNE), João Dias da Silva, afirmou, apesar de não ter dados sobre a adesão à greve, que há muitas escolas encerradas de norte a sul do país.

A greve foi convocada por estruturas sindicais afetas às duas centrais sindicais, CGTP e UGT, no dia em que o calendário escolar tem marcada uma prova de aferição de Educação Física para os alunos do 2.º ano de escolaridade.

Oito em cada dez diretores escolares queixam-se da falta de assistentes operacionais, segundo um inquérito, realizado no mês passado.

O trabalho, realizado pelo blogue Comregras em parceria com a Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), revelou também que quase metade destes funcionários tem mais de 50 anos e apenas 1% ganha mais de 650 euros.

Muitos dos trabalhadores não docentes estão nas escolas há mais de 20 anos e recebem o salário mínimo: 41,5% ganham 580 euros, 57,4% levam para casa entre 581 e 650 euros e apenas 1,1% tem um vencimento superior a 650 euros

A maioria dos diretores escolares (82%) depara-se diariamente com a falta de funcionários, de acordo com os dados recolhidos junto de 176 dirigentes.

Muitos destes trabalhadores estão nas escolas há mais de 20 anos e recebem o salário mínimo: 41,5% ganham 580 euros, 57,4% levam para casa entre 581 e 650 euros e apenas 1,1% tem um vencimento superior a 650 euros, segundo o inquérito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.