UGT aceita 580 euros, mas diz que é possível ir mais longe

Secretário-geral da plataforma sindical defende que subida para 585 euros seria mais razoável

A União Geral de Trabalhadores (UGT) aceitará na concertação social a subida do salário mínimo nacional para os 580 euros, mas defende que o ritmo económico do país permite ir mais longe e por isso propõe 585 euros.

Em declarações à margem de uma conferência organizada na sede da UGT, o secretário-geral da organização diz que prefere "manter uma postura moderada" nas negociações, mas considera que, face ao ritmo económico do país, os 585 euros seriam "razoáveis".

"Temos de manter a pressão, até para empurrar os outros salários para cima", afirmou Carlos Silva.

O secretário-geral da UGT lembrou que o Orçamento do Estado deste Governo já veio devolver rendimentos, com preocupações de consolidação orçamental, e defendeu que o crescimento do salário mínimo deve ser continuo, de forma a chegar aos 600 euros em 2019.

Sobre as reivindicações dos patrões, que pedem contrapartidas para aumentar o salário mínimo, Carlos Silva sublinhou: "Já assinámos acordos em que estava prevista a redução da TSU [Taxa Social Única] para as empresas, mas a este nível preferimos ir pela via da redução do IRC para as empresas que invistam no interior do país e ajudem a combater a desertificação do território".

"É preciso também penalizar quem usa a precariedade e dar benefícios a todos os outros que optem pelos contratos a termo, para dar estabilidade ao trabalhador. É que nem todos os setores são sazonais", acrescentou.

Sobre os 600 euros de salário mínimo proposto pela CGTP, Carlos Silva afirma: "Não somos contra, mas parece que vai para além do ritmo [económico]. Prefiro apostar na moderação".

A próxima reunião da concertação social está marcada para a próxima sexta-feira e, segundo os parceiros, será para se iniciar o debate sobre a atualização do salário mínimo.

No passado fim de semana, em entrevista conjunta à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, manifestou-se indisponível para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

Questionado sobre um possível aumento do salário mínimo para 580 euros, o empresário disse que a CIP não fará desse valor "um cavalo de batalha" e que só tomará posição depois de saber a proposta do Governo.

Já na segunda-feira, no Fórum da TSF, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, afastou a possibilidade de um aumento do salário mínimo, atualmente em 557 euros, que eleve a remuneração acima dos 580 euros.

"Apesar de o Governo ainda não ter apresentado nenhuma proposta para este ano, não vejo nenhuma razão significativa para alterar a trajetória que seguimos até agora", afirmou o ministro.

"O mais provável é mesmo que seja esse o ponto de partida para o debate na Concertação Social", acrescentou Vieira da Silva.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.