UGT aceita 580 euros, mas diz que é possível ir mais longe

Secretário-geral da plataforma sindical defende que subida para 585 euros seria mais razoável

A União Geral de Trabalhadores (UGT) aceitará na concertação social a subida do salário mínimo nacional para os 580 euros, mas defende que o ritmo económico do país permite ir mais longe e por isso propõe 585 euros.

Em declarações à margem de uma conferência organizada na sede da UGT, o secretário-geral da organização diz que prefere "manter uma postura moderada" nas negociações, mas considera que, face ao ritmo económico do país, os 585 euros seriam "razoáveis".

"Temos de manter a pressão, até para empurrar os outros salários para cima", afirmou Carlos Silva.

O secretário-geral da UGT lembrou que o Orçamento do Estado deste Governo já veio devolver rendimentos, com preocupações de consolidação orçamental, e defendeu que o crescimento do salário mínimo deve ser continuo, de forma a chegar aos 600 euros em 2019.

Sobre as reivindicações dos patrões, que pedem contrapartidas para aumentar o salário mínimo, Carlos Silva sublinhou: "Já assinámos acordos em que estava prevista a redução da TSU [Taxa Social Única] para as empresas, mas a este nível preferimos ir pela via da redução do IRC para as empresas que invistam no interior do país e ajudem a combater a desertificação do território".

"É preciso também penalizar quem usa a precariedade e dar benefícios a todos os outros que optem pelos contratos a termo, para dar estabilidade ao trabalhador. É que nem todos os setores são sazonais", acrescentou.

Sobre os 600 euros de salário mínimo proposto pela CGTP, Carlos Silva afirma: "Não somos contra, mas parece que vai para além do ritmo [económico]. Prefiro apostar na moderação".

A próxima reunião da concertação social está marcada para a próxima sexta-feira e, segundo os parceiros, será para se iniciar o debate sobre a atualização do salário mínimo.

No passado fim de semana, em entrevista conjunta à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, manifestou-se indisponível para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

Questionado sobre um possível aumento do salário mínimo para 580 euros, o empresário disse que a CIP não fará desse valor "um cavalo de batalha" e que só tomará posição depois de saber a proposta do Governo.

Já na segunda-feira, no Fórum da TSF, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, afastou a possibilidade de um aumento do salário mínimo, atualmente em 557 euros, que eleve a remuneração acima dos 580 euros.

"Apesar de o Governo ainda não ter apresentado nenhuma proposta para este ano, não vejo nenhuma razão significativa para alterar a trajetória que seguimos até agora", afirmou o ministro.

"O mais provável é mesmo que seja esse o ponto de partida para o debate na Concertação Social", acrescentou Vieira da Silva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.