Túmulo nos Jerónimos não conterá as ossadas de Camões

O túmulo referente a Luís de Camões existente no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, tem grande probabilidade de não conter os restos mortais do poeta, afirmou um especialista em estudos camonianos.

Vítor Aguiar e Silva explicou à Lusa que, "com grande probabilidade, as ossadas guardadas no mausoléu dos Jerónimos "não são de Camões".

O poeta terá sido sepultado na Igreja de Sant'Ana, em Lisboa, próxima da casa onde vivia a sua mãe, na calçada de Santana, mas "não se sabe exatamente onde foi colocado o cadáver, se dentro, se fora da igreja ou se até numa fossa", sublinhou Aguiar e Silva.

Supõe-se que teria ficado sepultado do lado esquerdo da entrada principal da igreja e, anos mais tarde, D. Gonçalo Coutinho mandou colocar no local uma lápide de mármore em que refere Camões como "Príncipe dos Poetas do seu tempo", que faleceu em 1579.

Vítor Aguiar e Silva afirmou à Lusa que "a memória falha", o que justifica o engano no epitáfio do poeta, dando antes crédito ao documento da chancelaria de Filipe I (II de Espanha) que atribui uma tença à mãe de Camões e afirma que este morreu a 10 de Junho de 1580.

No entanto, desde o sepultamento, em 1580, à trasladação, três séculos depois, deu-se o terramoto de 1755, que destruiu muito a igreja, que foi ainda alvo, posteriormente, de obras para a construção de um coro alto.

Para Aguiar e Silva, "no estreito rigor histórico" ninguém sabe ao certo onde estão os restos mortais de Camões e "há as maiores dúvidas" que se encontrem na arca tumular nos Jerónimos, de autoria de Costa Mota Pio, onde invariavelmente Chefes de Estado e estadistas cerimoniosamente colocam coroas de flores quando visitam Portugal.

Os restos mortais do autor de "Os Lusíadas" foram transladados em 1880 para o Mosteiro dos Jerónimos, numa altura de exaltação patriótica a que não foi alheia a propaganda republicana que já se fazia sentir.

Uma comissão foi constituída e encarregada por Rodrigo da Fonseca, então ministro do Reino, de encontrar as ossadas do lírico e lhe dar sepultura digna, o que veio a acontecer no tricentenário da sua morte (1880).

Todavia, como alerta Aguiar e Silva, "até a própria comissão tem dúvidas da autenticidade do que trasladou".

No relatório da comissão pode ler-se, referindo os trabalhos de escavação empreendidos em 1858, que "a uma certa altura [viram-se] ossos em fórma que se lhe não tinha mexido. Alguns d'estes eram pois sem duvida os de Luiz de Camões; mas quaes, se nem era possivel distinguir a sepultura".

A comissão procurava a pedra de mármore mandada colocar por D. Gonçalo Coutinho, que não encontrou. Resultado, aliás, análogo a buscas anteriores, em 1836, que não chegaram a qualquer conclusão quanto às ossadas de Camões.

Para o camonista Aguiar e Silva, esta incerteza não retira o "valor simbólico" que tem o túmulo nos Jerónimos e até sublinha que "é bom que tenha!".

O estudioso da obra de Camões, afirma que ler "Os Lusíadas", obra maior do lírico, "é fundamental para entendermos aquilo que fomos e o que somos", logo que caminhos escolher para o futuro.

"'Os Lusíadas' são um texto fundamental para a compreensão de Portugal" quando "lidos na sua grandeza e profundidade", atestou o camonista.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.