Túmulo nos Jerónimos não conterá as ossadas de Camões

O túmulo referente a Luís de Camões existente no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, tem grande probabilidade de não conter os restos mortais do poeta, afirmou um especialista em estudos camonianos.

Vítor Aguiar e Silva explicou à Lusa que, "com grande probabilidade, as ossadas guardadas no mausoléu dos Jerónimos "não são de Camões".

O poeta terá sido sepultado na Igreja de Sant'Ana, em Lisboa, próxima da casa onde vivia a sua mãe, na calçada de Santana, mas "não se sabe exatamente onde foi colocado o cadáver, se dentro, se fora da igreja ou se até numa fossa", sublinhou Aguiar e Silva.

Supõe-se que teria ficado sepultado do lado esquerdo da entrada principal da igreja e, anos mais tarde, D. Gonçalo Coutinho mandou colocar no local uma lápide de mármore em que refere Camões como "Príncipe dos Poetas do seu tempo", que faleceu em 1579.

Vítor Aguiar e Silva afirmou à Lusa que "a memória falha", o que justifica o engano no epitáfio do poeta, dando antes crédito ao documento da chancelaria de Filipe I (II de Espanha) que atribui uma tença à mãe de Camões e afirma que este morreu a 10 de Junho de 1580.

No entanto, desde o sepultamento, em 1580, à trasladação, três séculos depois, deu-se o terramoto de 1755, que destruiu muito a igreja, que foi ainda alvo, posteriormente, de obras para a construção de um coro alto.

Para Aguiar e Silva, "no estreito rigor histórico" ninguém sabe ao certo onde estão os restos mortais de Camões e "há as maiores dúvidas" que se encontrem na arca tumular nos Jerónimos, de autoria de Costa Mota Pio, onde invariavelmente Chefes de Estado e estadistas cerimoniosamente colocam coroas de flores quando visitam Portugal.

Os restos mortais do autor de "Os Lusíadas" foram transladados em 1880 para o Mosteiro dos Jerónimos, numa altura de exaltação patriótica a que não foi alheia a propaganda republicana que já se fazia sentir.

Uma comissão foi constituída e encarregada por Rodrigo da Fonseca, então ministro do Reino, de encontrar as ossadas do lírico e lhe dar sepultura digna, o que veio a acontecer no tricentenário da sua morte (1880).

Todavia, como alerta Aguiar e Silva, "até a própria comissão tem dúvidas da autenticidade do que trasladou".

No relatório da comissão pode ler-se, referindo os trabalhos de escavação empreendidos em 1858, que "a uma certa altura [viram-se] ossos em fórma que se lhe não tinha mexido. Alguns d'estes eram pois sem duvida os de Luiz de Camões; mas quaes, se nem era possivel distinguir a sepultura".

A comissão procurava a pedra de mármore mandada colocar por D. Gonçalo Coutinho, que não encontrou. Resultado, aliás, análogo a buscas anteriores, em 1836, que não chegaram a qualquer conclusão quanto às ossadas de Camões.

Para o camonista Aguiar e Silva, esta incerteza não retira o "valor simbólico" que tem o túmulo nos Jerónimos e até sublinha que "é bom que tenha!".

O estudioso da obra de Camões, afirma que ler "Os Lusíadas", obra maior do lírico, "é fundamental para entendermos aquilo que fomos e o que somos", logo que caminhos escolher para o futuro.

"'Os Lusíadas' são um texto fundamental para a compreensão de Portugal" quando "lidos na sua grandeza e profundidade", atestou o camonista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".