Tuk-tuks elétricos. A ideia da câmara que une os moradores de Alfama

Veículos mais silenciosos obrigatórios a partir de 1 de janeiro de 2017. Áreas para estacionar agradam. Horário de circulação das 09.00 às 22.00 divide

A pergunta lança a confusão num pequeno café de Alfama, em Lisboa: afinal, o que pensam os residentes num dos bairros da capital mais procurados pelos tuk-tuks da intenção da câmara municipal de regulamentar a circulação dos veículos que deliciam os turistas?

"Gosto de os ver", atira Anabela Moisés, 55 anos e a mais jovem da fação, que nem quer ouvir falar em restringir a atividade dos triciclos motorizados. Do outro lado da barricada está António Dominguez, cinco anos mais velho. "O que é que vêm para aqui fazer?", questiona, a fúria verbal brevemente contida quando se menciona a imposição - anunciada na segunda-feira pelo presidente da autarquia em entrevista ao jornal Público - de, a partir de 1 de janeiro de 2017, todos os riquexós que circulem na cidade sejam elétricos. "Assim já está bem", concede, sem esconder que duvida que tal venha a acontecer.

A promessa de Fernando Medina é que a partir de setembro será implementado "um conjunto de alterações", que incluem a "limitação da circulação entre as 09.00 e as 22.00", a proibição de transitarem "em algumas ruas" da zona histórica e a definição de "áreas de estacionamento para tuk-tuks e áreas de recolha e largada de passageiros".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.