Tribunal diz hoje se continua ou suspende julgamento

O tribunal comunica hoje se prossegue ou suspende o julgamento em que Vale e Azevedo é acusado de alegada apropriação de quatro milhões de euros do Benfica, de branqueamento de capitais e falsificação de documento.

O antigo presidente do Benfica pediu, na última audiência do julgamento, a 18 de dezembro, que "cessem as sessões" da 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, com a alegação de que "não pode ser sujeito a procedimento penal por infração praticada em momento anterior" à sua extradição para Portugal, a 12 de novembro.

Depois de o advogado do Benfica, José Manuel Marcheta, se ter pronunciado por escrito sobre o pedido de Vale e Azevedo, o coletivo de juízes, presidido por José Manuel Barata, comunicará hoje a decisão na sexta sessão.

Caso continue o julgamento, que tem marcada audiência para 22 deste mês, a advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, já anunciou que impugnará o acórdão.

Presidente do Benfica de 1997 a 2000, Vale e Azevedo é acusado de ilícitos nas transferências dos futebolistas britânicos Scott Minto e Gary Charles, do brasileiro Amaral e do marroquino Tahar El Khalej.

Vale e Azevedo aguarda a decisão da liberdade condicional no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.