Tribunal diz hoje se continua ou suspende julgamento

O tribunal comunica hoje se prossegue ou suspende o julgamento em que Vale e Azevedo é acusado de alegada apropriação de quatro milhões de euros do Benfica, de branqueamento de capitais e falsificação de documento.

O antigo presidente do Benfica pediu, na última audiência do julgamento, a 18 de dezembro, que "cessem as sessões" da 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, com a alegação de que "não pode ser sujeito a procedimento penal por infração praticada em momento anterior" à sua extradição para Portugal, a 12 de novembro.

Depois de o advogado do Benfica, José Manuel Marcheta, se ter pronunciado por escrito sobre o pedido de Vale e Azevedo, o coletivo de juízes, presidido por José Manuel Barata, comunicará hoje a decisão na sexta sessão.

Caso continue o julgamento, que tem marcada audiência para 22 deste mês, a advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, já anunciou que impugnará o acórdão.

Presidente do Benfica de 1997 a 2000, Vale e Azevedo é acusado de ilícitos nas transferências dos futebolistas britânicos Scott Minto e Gary Charles, do brasileiro Amaral e do marroquino Tahar El Khalej.

Vale e Azevedo aguarda a decisão da liberdade condicional no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.