Tribunal despromove 119 comissários da PSP

A PSP despromoveu 119 oficiais à categoria de subcomissário e ordenou a promoção de 33, segundo o Jornal de Notícias

É o segundo chumbo judicial em concursos desde 2016. O Tribunal Administrativo de Lisboa mandou a PSP despromover 119 oficiais à categoria de subcomissários e ordenou 33 promoções a comissário, avança hoje a edição deste sábado do Jornal de Notícias.

"Em causa está a discriminação entre oficiais de carreira-base", que começaram na PSP como agentes, e aqueles que se formaram no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI)", explica o jornal, que adianta ser possível recorrer da decisão.

De acordo com o JN, o concurso interno de acesso à categoria de comissário foi aberto em novembro de 2016 por despacho do Ministério da Administração Interna e do Ministério das Finanças. Posteriormente, a Direção Nacional da PSP promoveu a abertura de um concurso interno de acesso para preencher 179 lugares na carreira oficial da PSP e na categoria de comissário. Um terço dos lugares estava reservado a subcomissários não habilitados com o Curso de Formação de Oficiais de Polícia (CFOP).

Um ano depois, escreve o Jornal de Notícias, foram excluídos os oficiais não detentores do CFOP. Os subcomissários de carreira base, que começaram na PSP como agentes, sentiram-se prejudicados com o concurso interno desta força polícial e levaram o caso a tribunal. Viram agora o juiz dar-lhes razão com base num decreto-lei de "salvaguardas de regime".

Para os subcomissários de carreira, a lei oferece uma garantia de vagas de um terço para aqueles oficiais, ou seja uma quota-mínima, não limitativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.