Tribunal despromove 119 comissários da PSP

A PSP despromoveu 119 oficiais à categoria de subcomissário e ordenou a promoção de 33, segundo o Jornal de Notícias

É o segundo chumbo judicial em concursos desde 2016. O Tribunal Administrativo de Lisboa mandou a PSP despromover 119 oficiais à categoria de subcomissários e ordenou 33 promoções a comissário, avança hoje a edição deste sábado do Jornal de Notícias.

"Em causa está a discriminação entre oficiais de carreira-base", que começaram na PSP como agentes, e aqueles que se formaram no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI)", explica o jornal, que adianta ser possível recorrer da decisão.

De acordo com o JN, o concurso interno de acesso à categoria de comissário foi aberto em novembro de 2016 por despacho do Ministério da Administração Interna e do Ministério das Finanças. Posteriormente, a Direção Nacional da PSP promoveu a abertura de um concurso interno de acesso para preencher 179 lugares na carreira oficial da PSP e na categoria de comissário. Um terço dos lugares estava reservado a subcomissários não habilitados com o Curso de Formação de Oficiais de Polícia (CFOP).

Um ano depois, escreve o Jornal de Notícias, foram excluídos os oficiais não detentores do CFOP. Os subcomissários de carreira base, que começaram na PSP como agentes, sentiram-se prejudicados com o concurso interno desta força polícial e levaram o caso a tribunal. Viram agora o juiz dar-lhes razão com base num decreto-lei de "salvaguardas de regime".

Para os subcomissários de carreira, a lei oferece uma garantia de vagas de um terço para aqueles oficiais, ou seja uma quota-mínima, não limitativa.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.